Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
13





                                              

                            

 

 

 


A Antiguidade Romana
A Antiguidade Romana

A ANTIGUIDADE ROMANA.

 

OS PRIMITIVOS HABITANTES DA ITÁLIA.

A Itália é uma península europeia que penetra profundamente na parte central do mar Mediterrâneo.  Suas costas não são muito favoráveis; grandes extensões eram antigamente impróprias para a navegação em virtude de escarpas e bancos de areia, além da insalubridade.  Em compensação o solo era bem mais fértil do que o da Grécia.  Povos de origem indo-europeia, em migrações sucessivas, fixaram-se na península onde, mais tarde, foram miscigenados em consequência das invasões dos etruscos, dos gregos e dos gauleses.

No século VI a.C. encontravam-se os primitivos habitantes da Itália distribuídos da seguinte maneira:  ao norte, os gauleses, espalhados no vale do Pó e nas costas ao norte do Tirreno; ao centro, etruscos e latinos na zona ocidental, sabinos e úmbrios nas montanhas apeninas e samnitas nas costas do Adriático; ao sul, os gregos, fixados num conjunto de colônias denominado Magna Grécia.

Os etruscos, oriundos provavelmente da Ásia Menor, alcançaram nível cultural bastante elevado.  Embora usassem o alfabeto grego, seu idioma continua, ainda hoje, indecifrado.  Os itálicos do oeste e os latinos e os samnitas da Campania eram as tribos mais cultas.

 

 

A FUNDAÇÃO DE ROMA.

Sobre a fundação de Roma tem-se conservado uma lenda segundo a qual Enéias, príncipe troiano fugido de sua cidade destruída pelos gregos, teria chegado ao Lácio e casado com a filha de um rei latino.  Proclamado rei de Alba Longa, seus descendentes herdaram-lhe depois a coroa.

Um deles, Numitor, foi destronado por seu irmão Amúlio.  Uma filha do rei destronado, Rea Sílvia, teve dois filhos gêmeos, Rômulo e Remo, que foram considerados como filhos de Marte.  Temendo Amúlio perder o poder, ordenou que as crianças fossem abandonadas em uma cesta nas margens do Tibre.  Amamentadas por uma loba e depois recolhidos por um casal de pastores, os dois meninos ao crescerem repuseram seu velho avô no trono e mataram o usurpador Amúlio.

Em seguida retiraram-se de Alba Longa para fundar uma cidade no mesmo local onde haviam sido encontrados pelo casal de pastores.  Quando Rômulo traçava com um arado as muralhas da nova cidade, Remo saltou por cima dos sulcos abertos, zombando de sua utilidade, sendo então morto por seu irmão que nessa ocasião teria dito:  “O mesmo aconteça a todo aquele que se atrever a pular sobre as muralhas de Roma”.  Perde-se, pois, na lenda a verdadeira origem de Roma.  É provável, contudo, que tribos dedicadas ao pastoreio se hajam estabelecido no Lácio, onde fundaram pequenas cidades confederadas sob a direção de Alba Longa, e que mais tarde um grupo de aventureiros oriundos dessas cidades haja fundado Roma.

 

 

Segundo as antigas tradições latinas os romanos, desejando esposas, raptaram as jovens sabinas.  Tal fato desencadeou uma guerra entre os dois povos, mas, quando ia começar a luta as jovens intercederam junto aos seus parentes sabinos e a seus esposos romanos conseguindo a paz.