Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
4





                                              

                            

 

 

 


A Cultura no Governo - (2) O Valor da Cultura
A Cultura no Governo - (2) O Valor da Cultura

A CULTURA NO GOVERNO PARTE 2

 

O VALOR DA CULTURA

A ARTE DE UM GRANDE NEGÓCIO

SEGUNDA REPORTAGEM DA SÉRIE SOBRE A CULTURA NA POLÍTICA EXAMINA COMO A ATIVIDADE ART´SITICA GERA UMA CADEIA PRODUTIVA

 

Quando o presidente em exercício Michel Temer anunciou a extinção do Ministério da Cultura (MinC), pouco depois de assumir o governo, parte da população comemorou a decisão nas redes sociais, partindo de uma visão segundo a qual artistas seriam espécies de parasitas que vivem exclusivamente de verba governamental e não movimentam a economia.  A volta do MinC, depois de protestos no segmento cultural em diferentes regiões do país, não arrefeceu a polêmica.

 

- Este ponto de vista é um absurdo.  A ideia de que a cultura não gera negócio é uma visão atrasada – afirma Gabriel Pinto, gerente de Indústria Criativa do Sistema Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro).

 

O Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil, divulgado em 2014 pela Firjan, aponta que que o PIB da indústria criativa cresceu 69,8% em termos reais de 2004 a 2013, quase o dobro dos 36,4% de incremento do PIB brasileiro.  No mesmo período, houve alta de 90% no número de empregos criativos formais, enquanto o mercado de trabalho nacional como um todo avançou 56%.  Os números reúnem os setores de cultura, consumo, mídias e tecnologia.  Pinto atribui os dados positivos ao aumento no investimento e no consumo:

 

- A cultura é importante não apenas como estratégia de desenvolvimento, mas também pelo transbordamento para outros setores econômicos.  Tivemos políticas culturais importantes, mas há muito por fazer.  Temos um potencial enorme de internacionalização.  Na hora em que isso ocorrer, vai carregar os produtos brasileiros para fora.

 

O especialista da Firjan explica que a cultura representa uma “economia de externalidade”, ou seja, aquela cujo benefício gera efeitos para terceiros:

 

- A cultura pode ser comparada a uma vacina.  Quando você toma vacina, seu vizinho também fica melhor, porque você se preveniu.  Da mesma forma, quando se consome cultura, a população fica melhor.  Melhora a educação, a inclusão social, uma série de coisas.

 

IMPACTO MATERIAL NO DESENVOLVIMENTO DO PAÍS

 

Apesar de as estatísticas sobre economia criativa no Brasil ainda não terem atingido a profundidade que especialistas esperam, estudos divulgados nos últimos anos permitem avaliar seu impacto material no desenvolvimento do pais.  Segundo o Sistema de Informações e Indicadores Culturais 2007 – 2010, divulgado pelo IBGE em 2013 (o mais recente disponível), as empresas associadas ao setor cultural tiveram R$ 374,8 bilhões de receita líquida em 2010, correspondendo a 8,3% do total de indústria, comércio e serviços.

 

O documento revelou que o número de trabalhadores no setor chegou a 3,7 milhões em 2012, 3,9% do total no país.  Além disso, os profissionais da cultura tinham em 2012, um nível de instrução mais alto do que a média do mercado: 20,8% com nível superior, enquanto o geral era de 14%.

 

Estudo da Agência Nacional do Cinema (Ancine) divulgado em 2015 revelou que o valor gerado só pelo setor audiovisual brasileiro teve um aumento de 65,8% entre 2007 e 2013, uma expansão de 8,8% ao ano.  Citando o IBGE, o relatório aponta que as atividades econômicas do audiovisual foram responsáveis por uma geração de R$ 22,2 bilhões em 2013 (em 2007, foram R$ 8,7 bilhões).

 

Em um olhar mais abrangente, a economia criativa – termo que abriga artes, ciência e tecnologia – tem se tornado uma importante estimuladora do desenvolvimento em nível mundial.  O Relatório de Economia Criativa 2013 da ONU indica que bens e serviços do setor movimentaram US$ 624 bilhões em 2011, mais do que o dobro em relação a 2002.  A indústria do direito autoral representou, em média 5,2% do PIB de 40 nações.

 

SETOR É AINDA MAIS SENSÍVEL AO MOMENTO ECONÔMICO

 

Os números no Brasil variam conforme a metodologia.  De acordo com o Mapeamento da Firjan, a indústria criativa nacional equivaleu a 2,6% do PIB em 2013.  Segundo o Panorama da Economia Criativa no Brasil, publicado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em 2013, varia entre 1,2% e 2% do PIB.  O estudo do Ipea conclui que a participação dos setores criativos na economia brasileira está abaixo de países-modelo como França e Inglaterra.  O pesquisador Bruno César Araújo, um dos autores, avalia que o setor tem potencial de crescimento.

 

- Apesar de o Brasil ser uma potência cultural, não com seguimos transformar isso em negócios.  O problema é movimentar o mercado em torno da cultura.  Não estou falando em mexer na essência do Festival de Parintins, por exemplo, mas em vendê-lo (aos turistas) de forma mais inteligente.  O Brasil tem grande potencial para museus, mas a maioria não tem sistema de guias que faça a experiência valer.

 

Os estudos disponíveis para orientar decisões sobre a economia da cultura são considerados insuficientes por especialistas porque captam, em geral, apenas uma faceta: o segmento formal.  No entanto, muitos profissionais da área trabalham por projetos.  De acordo com a pesquisa do Ipea, acredita-se que a dimensão informal é “mais expressiva no Brasil, pela própria natureza da economia criativa”.  Assim, estudos de maior fôlego precisam ser feitos.  Uma das expectativas é com a Conta Satélite de Cultura, análise setorial do IBGE para medir com acuidade o impacto do setor no PIB e subsidiar decisões sobre políticas públicas – o projeto existe, mas não há previsão de conclusão.

 

Bruno César Araújo, do Ipea alerta que o setor criativo é mais sensível ao momento econômico do que os outros:  cresce com agilidade em tempos de bonança e se retrai de forma intensa com a recessão.

 

- Fizemos a pesquisa durante um ciclo de crescimento, até 2010.  Se repetíssemos o estudo do ano passado para este, provavelmente constataríamos que a economia criativa está perdendo mais empregos do que o restante da economia.  As pessoas acabam gastando menos com cultura e bens culturais (durante a crise) – pondera.

 

*Números indicam que a indústria criativa equivale entre 1,2% e 2,6% do PIB brasileiro;

 

*De 2004 a 2013, seu crescimento foi de 69,8%  No geral, o PIB nacional cresceu, no período, 36,4%

 

*As empresas do setor cultural movimentaram R$ 374,8 bilhões em 2010, correspondendo a 8,3% do total das áreas de indústria, comércio e serviços

 

*Apenas as produções audiovisuais foram responsáveis pela geração de R$ 22,2 bilhões em 2013 (último ano contemplado por levantamento).

 

 

Fonte:  ZeroHora/Fábio Prikladnicki (fabio.pri@zerohora.com.br) em 1º de junho de 2016.