Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
2





                                              

                            

 

 

 


As Montanhas se Separam de Jia Zhang-Ke
As Montanhas se Separam de Jia Zhang-Ke

A CHINA EM TRÊS TEMPOS

 

FILME DE JIA ZHANG-KE ABORDA O CORROMPIMENTO NO MUNDO CAPITALISTA.

 

AS MONTANHAS SE SEPARAM – DRAMA, CHINA/JAPÃO/FRANÇA, 2015.

 

TRÊS TEMPOS (2005) é o título do magnífico filme no qual Hou Hsiao-Hsien abordou os relacionamentos através das décadas.  Outro mestre chinês, Jia Zhang-ke também dividiu seu novo longa em três atos, cada um situado em um período.  Mas AS MONTANHAS SE SEPARAM, aborda o amor apenas com o pretexto para falar da materialização das relações humanas como um todo.  E, como se trata de Zhang-ke (EM BUSCA DA VIDA, UM TOQUE DE PECADO), de perda da identidade nesse contexto.

 

AS MONTANHAS SE SEPARAM começa em 1999, quando vemos um triângulo formado por um mineiro humilde (Jing Dong Liang), um novo rico arrogante (Yi Zhang) e a mulher que eles amam (Tao Zhao).  O tom de melodrama é sublinhado pelo diretor, que com uma direção intencionalmente pouco sutil reforça a ideia de inocência por trás daquele jogo amoroso.  Zhang-ke só está preparando terreno para os dois terços seguintes do filme, que se passam, respectivamente, em 2014 e 2025.

 

Seduzida por quem no fim do século passado representava o novo, anos depois a mulher está em choque com o velho: é confrontada com a situação de desespero vivida pelo mineiro, que ao ser preterido deixou para trás a cidade em que viviam.  E é orgulhoso a ponto de não aceitar ajuda financeira.  Sua negação ao dinheiro escancara as intenções de Zhang-ke – é o apelo dos bens materiais e a sua consequente dependência que o interessam.

 

No ato final, AS MONTANHAS SE SEPARAM gira em torno de Dollar (Zijian Dong), o filho da protagonista que seguiu a letra da música dos Pet Shop Boys que está na trilha sonora (Go West) e foi viver no Ocidente.  Prestou atenção ao nome do garoto?  Há muito mais a evidenciar a obsessão material e, por consequência, uma certa descivilização em seu entorno.  Tudo está ligado à perda daquela  inocência inicial.

 

No fundo, essa crônica do corrompimento é o retrato da própria China aos olhos de Zhang-ke, desde sempre um cineasta interessado na representação das culturas mais genuínas – e na influência que estas recebem na era da globalização.  O que torna AS MONTANHAS SE SEPARAM um filme gigante é a abordagem do problema de maneira tão segura e complexa que parece fazer sentido em qualquer lugar do mundo.  A melancolia é universal.  A crise é da aldeia global, diz Zhang-ke.  É bom prestar atenção: trata-se de um dos maiores artistas do nosso tempo.

 

TRAILER:  https://www.youtube.com/watch?v=j-ae7iLpK_8

 

 

Fonte:  Zero Hora/Segundo Caderno/Daniel Feix (daniel.feix@zerohora.com.br) em 26 de junho de 2016.