Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





                                              

                            

 

 

 


Boa Viagem! Por Solange Depera Gelles
Boa Viagem! Por Solange Depera Gelles

Boa Viagem!

(Solange Depera Gelles)

Luana entrou no quarto de Sarah sem bater na porta. A moça estava olhando a agenda.

- Está triste?

- Não mãe. Só estava pensando que poderia ser diferente.

- Diferente como?

- As pessoas não deveriam saber o dia de sua viagem.

- Nos antigos escritos consta a história de uma mulher que perdeu o filho de uma maneira trágica. Revoltada ela olhou para o céu e começou a brigar com Deus. Disse que era injusto perder o filho de maneira tão dolorosa, sem aviso, sem preparo. Logo em seguida, arrependeu-se e chorando pediu perdão. Deus começou a falar com ela. Perguntou-lhe como seria a maneira correta de morrer. E ela humildemente respondeu que deveria ser como uma viagem, com festa de despedida, preparo da família e amigos para aquela viagem sem volta. Deus pensou por uns minutos e decidiu que iria fazer um teste com a sugestão da mulher. O teste ficou para sempre. As pessoas recebiam ao nascer uma agenda com a data de sua viagem, então, todos começaram a fazer boas ações, as pessoas começaram a amar-se mais, respeitando o próximo porque sabiam que um dia partiriam.  Enfim, foi muito melhor que o esperado.

- Essa palavra morte é muito forte.

- Forte e desagradável. Acho que eu prefiro assim. Quando seu avô viajou, eu pensei que iria chorar, mas ele estava tão feliz ao entrar no trem. Eu e minha mãe ficamos acenando até o trem sumir na curva.

- Você chorou?

- Chorei, porque ele ia viajar e o bilhete era só de ida. Mas aonde quer que ele esteja, sei que está muito bem.

- Eu não queria viajar agora! - lamentou Sarah.

- Sua passagem aqui foi tão linda. Se eu pudesse iria em seu lugar.

- Tem razão, minha passagem foi muito linda! Fui tão amada, foram 19 anos de felicidade. Será que vou gostar de lá?

- Não sei responder isso, mas sei que daqui quatro anos estarei lá com você.

- E lá, você será minha mãe ainda?

- Acredito que não, lá seremos almas irmãs. Na verdade aqui já somos almas irmãs. Eu não poderia ter recebido de Deus filha melhor que você!

- Vou sentir sua falta!

- Também sentirei a sua, fazemos tantas coisas juntas...

- Faltam dois dias para dia 14.

- Vamos dar uma festa ou você prefere algo só para a família?

- Vou me encontrar com meus amigos amanhã à tarde. Podemos jantar naquele restaurante japonês que você gosta?

- Vou ligar para a vovó e combinar.

Luana saiu do quarto e viu Sarah ajoelhar-se para fazer uma prece de agradecimento.

No dia seguinte Sarah encontrou-se com os amigos, foi uma farra. Acabaram chorando porque não iriam mais ficar juntos. À noite o jantar foi como uma volta ao passado, cada momento de Sarah foi contado detalhadamente pela avó, pela mãe, pelo pai e por seu irmão mais novo.

Finalmente dia 14 chegou. Na estação, a família e algumas amigas mais íntimas não cansavam de abraçá-la. O trem chegou e várias pessoas embarcaram. Sarah deu um último abraço em sua mãe e ao entrar no trem esbarrou em Alessandro.

- Desculpe. - disse Sarah sem jeito.

- Foi um prazer. - respondeu Alessandro.

- Um prazer?

- Um prazer, pois graças ao seu esbarrão terei companhia durante a viagem, eu posso sentar com você?

- Claro! Meu nome é Sarah.

- Eu sei. - respondeu Alessandro.

- Como sabe? - perguntou Sarah.

- Está é minha agenda. Veja no dia 14.

Sarah abriu a agenda de Alessandro   no dia 14 e estava escrito:

“Viajar com Sarah”

Os dois se olharam e sorriram. Sarah entendeu que a viagem não era o fim, e sim o começo. Um belo começo!

Na estação sua mãe disse baixinho quando o trem fez a curva:

- Boa viagem!