Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
12





                                              

                            

 

 

 


Clara Averbuck, de Mina para Mina
Clara Averbuck, de Mina para Mina

CLARA AVERBUCK:  DE MINA PARA MINA

 

Quando Clara Averbuck se despediu de Porto Alegre, em 2001, para aventurar-se em São Paulo, era uma menina que buscava no universo masculino os “colhões” que acreditava serem necessários para afirmar-se.  Nesta semana, logo após ser uma das cinco laureadas com o Prêmio Donna Mulheres que Inspiram, Clara retorna à cidade natal para dividir um pouco do que descobriu em Sampa e registrou no novo livro, TOUREANDO O DIABO: que mulheres unidas podem mudar tudo, inclusive essa mania de achar que talento tem algo a ver com virilidade.

No evento Conexões Globais, que será realizado hoje e amanhã, no Vila Flores,  a escritora lança TOUREANDO O DIABO, participa do debate Mulherada Empoderada: os Feminismos Insurgentes nas Ruas e nas Redes e oferece uma oficina de escrita criativa só para garotas, com duas turmas lotadas.

A trinca de atividades diz muito sobre a rotina da escritora desde que foi para São Paulo, onde lançou seus sete livros – eles próprios documentos da transformação de Clara, da “menina entre os meninos” no e-zine CardosOnLine para a mulher que, em 2014, criou com duas amigas o site Lugar de Mulher, referência em abordagem pop e temas como igualdade de gênero.

Em TOUREANDO O DIABO, a protagonista Camila (conhecida dos leitores desde a estreia com MÁQUINA DE PINBALL, de 2002) discorre sobre feminismo com a mesma verve franca e direta com que fala de sexo, sentimentos e música.  Amparada em uma base de leitores que a acompanha ao longo dos últimos 15 anos, Clara conseguiu lançar o livro de forma independente, com financiamento coletivo de centenas de apoiadores.

- Fiz esse livro para conseguir viver de livro.  E está dando.  Já consegui pagar um aluguel com a venda, nunca tinha feito isso antes.  Em geral, as editoras pagam 10% de capa para o autor, o que equivale a uma passagem de ônibus – explica.

Porque se relacionou com editoras por muito tempo e sabe que estas recebem três vezes menos originais de mulheres do que de homens, Clara desenvolve oficinas de escrita criativa voltadas só para elas.

- Não é algo com grandes técnicas; é oficina para destravar as meninas, para que parem de ter vergonha de mostrar o que fazem.  Elas escrevem na aula e têm de falar em voz alta.  O resultado é incrível, tem uma turma fazendo uma coletânea, outra em que todas fizeram perfis no Medium (site de publicação de textos) – orgulha-se.

As ideias permeiam TOUREANDO O DIABO e motivam a oficina Clara deve expor no debate com outras quatro mulheres.  Ela tem se envolvido em conversas como essa em várias cidades, além de dialogar com mulheres de faixas etárias e contextos variados a partir de seus textos na revista CartaCapital e no Lugar de Mulher e em participações em espaços de visibilidade como o programa Esquenta, da TV Globo.  Se a Clara que deixou Porto Alegre era uma menina entre os meninos, a que retorna para p Conexões Globais é, cada vez mais, uma mina com as outras minas.

 

Fonte:  ZeroHora/Segundo Caderno/Fernando Corrêa em 1º de abril de 2016.