Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
13





                                              

                            

 

 

 


Como Bobos
Como Bobos

COMO BOBOS

 

Catarina, chamada a Grande, da Rússia, levou o enciclopedista francês Denis Diderot a São Petersburgo para ser uma espécie de filósofo em residência no Palácio Hermitage.  Cristina, rainha da Suécia, já tinha convidado René Descartes, para dar uma sacudida intelectual no seu reino, além de preencher os vazios da alma da moça, que – fofoca histórica – gostava de se vestir de homem e não gostava de tomar banho.  Frederico, o Grande (outro), da Prússia, também quis ter um francês e mandou buscar Voltaire para ser seu interlocutor literário e legitimar sua pretensão a rei filósofo, um legítimo produto do iluminismo.

Descartes, com sua ideia doida de que o Homem inventara Deus com a razão que Deus lhe dera, foi hostilizado pelos pensadores suecos como já tinha sido combatido pela Igreja da França.  Escreveu de Estocolmo para um amigo:  “Me parece que aqui as ideias congelam, exatamente como a água”.  Foi o frio da Suécia que o matou, embora se desconfie de que os ciumentos médicos da corte tenham ajudado um resfriado a se tornar mortal.  No seu livro To the Hermitage (de onde vem a fofoca acima), o inglês Malcolm Bradbury escreve que, em Estocolmo, não existe qualquer traço de descartes.  Não se sabe onde ele foi enterrado.  Segundo Bradbury, “o criador da metafísica da presença humana, o fundador do grande ‘penso, logo sou’, o profeta da alma moderna, o homem que nos deu a dúvida, a ansiedade, a mente acima da matéria e nos ensinou a questionar, é notado em Estocolmo apenas pela sua ausência silenciosa”.

A visita de Voltaire ao palácio de verão de Sans Souci, perto de Berlim, se estendeu para três anos e foi feliz enquanto durou – ou até Voltaire ser preso a mando do rei quando tentava voltar para casa, acusado de quebra de contrato e corrupção e de ter roubado alguns dos seus poemas eróticos, provavelmente a acusação que mais doeu.  Denis Diderot ficou dois anos em São Petersburgo.  Seu relacionamento com a czarina e sua corte foi no mínimo pacífica, e a separação foi amigável.

O curioso é que os três franceses (entre outros, como Rousseau, Condorcet, D’Alembert, que também levaram conselhos a poderosos de outras terras) foram adotados por monarquias absolutas justamente por serem notórios hereges, cuja crítica à ortodoxia religiosa implicava, por tabela, uma crítica a todo poder absolutista, e cujas ideias mais tarde dariam origem às revoluções republicanas.  Talvez os monarcas intuíssem que mostras de inquietação intelectual e credenciais progressistas os salvariam da onda racionalista que se aproximava, ou talvez apenas quisessem intelectuais iconoclastas aos seus pés, como animais domados.  Ou como bobos, para diverti-los com suas maluquices inócuas.

Outra curiosidade é: por que os franceses aceitavam os convites?  Na época não se recusava um bom patrono, ainda mais um patrono com verbas reais, mas mesmo assim... Já era, então, a questão de hoje, a velha questão dos intelectuais e o poder: como se comportar, como se engajar sem se comprometer, até onde ir na sua cumplicidade com os reis.

De qualquer maneira, é pouco provável que, em alguma das suas conversas com a czarina Catarina, Diderot tenha dito sua famosa frase, com a qual Descartes e Voltaire certamente concordariam:   - A humanidade só será livre, Alteza, no dia em que o último déspota for enforcado com as tripas do último padre.

 

Fonte:  L.F.Veríssimo (verissimo@zerohora.com.br)

            Jornal ZeroHora de 12/7/2015