Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
14





                                              

                            

 

 

 


Da Lama ao Palco
Da Lama ao Palco

DA LAMA AO PALCO

 

Peça premiada e cercada de expectativas, CARANGUEJO OVERDRIVE, da Aquela Companhia de Teatro, com direção de Marco André Nunes, chega ao Festival Palco Giratório.  A montagem experimental foi produzida com orçamento modesto e tornou-se a maior surpresa da cena carioca.  O espetáculo ocorre (ocorreu) na Sala Álvaro Moreyra.

 

O ponto inicial é a inspiração no livro HOMENS E CARANGUEJOS, publicado em 1967 pelo escritor pernambucano Josué de castro, que também serviu de base para o movimento manguebeat, do músico Chico Science, na década de 1990.  “Josué de Castro é o primeiro pensador brasileiro a desnaturalizar a questão da fome.  Antes, se falava que ela acontecia por um certo determinismo geográfico – ele vai dizer que ela é um fenômeno social de concentração de riqueza”, explica o dramaturgo Pedro Kosovski, enfatizando que o livro ainda é extremamente atual, já que, no Brasil, somente a partir dos anos 1990 houve políticas públicas que tentaram exterminar a fome.

 

Soma-se a isso a questão da memória: a peça é ambientada em plena Guerra do Paraguai (1864 e 1870) e foi escrita para os 450 anos do Rio de Janeiro.  O espetáculo conta a história de um catador de caranguejo do Rio de Janeiro, Cosme, que é convocado para lutar na Guerra do Paraguai e, ao retornar, anos depois, se deparar com a construção do canal do Mangue e as mudanças da cidade.

 

Em cena, estão cinco atores atuando ao redor ou dentro de uma caixa de lama e areia.  “Abordamos também como as atuais disputas de territórios no Rio, em decorrência das Olimpíadas, afetam a vida das pessoas”, comenta Kosovski.

 

O texto é apenas uma parte da peça, que ganha destaque também pela forma como é contada.  As transformações passam pelos corpos dos atores.  Kosovski conta que o ator Fellipe Marques fica 20 minutos imóvel em uma posição de caranguejo.  A peça pretende, portanto, levar o teatro político a uma nova direção.  “Ocorreu uma repolitização do teatro após junho de 2013.  Entre os anos 1960 e 1970, teve um teatro político contundente.  Atualmente, estamos tentando ver de que modo conseguimos ser políticos sem fechar em um tipo de bandeira, a questão agora é como fazer e não para que fazer”, relata o dramaturgo e um dos fundadores da companhia, ao lado do diretor Marco André Nunes.

 

A montagem dá continuidade à pesquisa artística da Aquela Cia de Teatro, que se baseia na criação de uma dramaturgia própria e na ampliação do gênero musical – a trilha sonora é realizada ao vivo e flerta com o punk e o manguebeat.  O grupo, que comemorou 10 anos, esteve, em diversas ocasiões, em Porto Alegre – a última delas foi no ano passado, apresentando o espetáculo EDYPOP.

 

No entanto, CARANGUEJO faz um retorno aos primeiros trabalhos do grupo, feitos para uma plateia menor e, conforme Kosovski, dialoga diretamente com outro espetáculo da companhia: CARA DE CAVALO, que esteve na Capital em 2014.  A montagem também trabalhava a questão da memória, tendo como ponto de partida a história do bandido que lhe empresta o título e o cerco policial que redundou em sua execução com mais de 100 tiros em Cabo Frio, em 1964.

 

CARANGUEJO OVERDRIVE deu a Kosovski e a Nunes todos os grandes prêmios do ano nas categorias texto e direção: Cesgranrio, Shell e APTR.  Além deles, Carolina Virgüez levou o Shell e o ATPR de melhor atriz por seu papel na peça.  Também estão em cena Alex Nader, Eduardo Speroni e Matheus Macena. 

 

 

Fonte:  Jornal do Comércio/Caderno Viver/Michele Rolim em 22 de maio de 2016.