Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





                                              

                            

 

 

 


Documentário Infância Falada
Documentário Infância Falada

FILMA RETRATA PROJETOS PARA RESGATAR A INFÂNCIA

 

CIDADANIA:  A partir de pesquisa em 15 favelas, produção, lançada em agosto, aponta alternativas para a socialização de crianças em áreas violentas.

 

É possível, sim, resgatar a infância em comunidades assoladas pela violência.  É o que pretende comprovar o documentário INFÂNCIA FALADA, produzido pelo Centro de Análises Econômicas e Sociais (Caes) da Pontifícia Universidade Católica (PUCRS), em parceria com a produtora porto-alegrense Conta pra Mim Filmes.  O filme foi lançado em 19 de agosto, no Instituto Goethe, em Porto Alegre, mostra, ao longo de seus 53 minutos, experiências bem-sucedidas em projetos sociais que envolvem crianças e apostam no diálogo como solução de conflitos e diferenças.

 

A ideia do documentário, que em julho foi exibido em Viena, na Áustria, durante 3º Fórum da Associação Internacional de Sociologia, surgiu a partir de um mapeamento dos impactos da violência sobre crianças de zero a oito anos, realizado entre 2012 e 2014 em 15 favelas de São Paulo, do Rio de Janeiro e de Recife.  Mas, diferentemente da pesquisa, que salientou o violento cotidiano das comunidades pobres, o filme foca em soluções criativas para a socialização das crianças, apontando caminhos para que, desde cedo, permaneçam distantes das más influências e, por consequência, longe do crime.

- Pelos projetos, a gente vê que o diálogo é uma “tecnologia” avançadíssima.  Você tem de aplicar todo dia, e isso se incorpora, passando a fazer parte de sua rotina – afirma o coordenador da pesquisa, Hermílio Santos, professor da Escola de Humanidades da PUCRS e um dos diretores do filme.

 

Além das três capitais, os produtores também buscaram iniciativas positivas nas cidades de Araçuaí (MG) e Nova Olinda (CE).  Financiado pela Fundação Bernard van Leer, da Holanda, INFÂNCIA FALADA conta com versões em inglês e alemão e procura mostrar que a falta de diálogo é, na maior parte das vezes, a causa de violência nas favelas pesquisadas.

- O filme não podia abordar todos os itens da pesquisa.  A gente escolheu o mais importante, a falta de diálogo.  Porque todo este projeto não visa só a identificar os problemas, mas também a propor ações transformadoras.  Com a pesquisa, é possível indicar o que está errado e como se pode agir nesses locais – diz a jornalista Kamila Almeida, codiretora do filme.

 

MÚSICA E ARTE CONTRA O CRIME

 

Por meio de músicas e brincadeiras, o projeto Ser Criança utiliza horários complementares à escola formal e espaços comunitários de Araçuaí para desenvolver o lado lúdico e auxiliar na socialização, na formação da cidadania, no despertar da autoestima e no estímulo à solução de conflitos por meio da conversa entre os seus participantes, em sua maioria vindos de regiões pobres da cidade, situada no Vale do Jequitinhonha (MG).

- Não tem diálogo.  As pessoas não se entrosam, não conversam umas com as outras.  Então, qualquer coisinha é motivo de uma briga, de um conflito.  Eu já vi uma vizinha agredindo a outra, eu já vi uma morte – conta Emily, 14 anos, que faz parte do projeto, segurando o choro. – O moço morreu porque o outro atirou nele – completa.

 

Na favela da Maré, a experiência de criação de uma orquestra local voltada para os jovens é bem avaliada.

- No começo, achei que seria mais um projeto que não ia a lugar nenhum.  Na escola mesmo, todo projeto que chegava não demorava muito tempo – comemora Neusa, mãe de Giovanna, 17 anos, que hoje toca violino na orquestra.

 

Além do filme, a pesquisa do Caes/PUCRS também será divulgada futuramente por meio de um livro, ainda em fase de preparação.  A partir de novembro, o filme será disponibilizado no YouTube.  Por enquanto, o teaser pode ser visto no link zhora.co/infanciafalada.

 

TEASER:  https://www.youtube.com/watch?v=yfsJ8WKA7nQ

 

 

CONHEÇA OS PROJETOS

 

PROJETO SER CRIANÇA (ARAÇUAÍ/MG)

Atende a cerca de 160 crianças no turno inverso ao da escola, oferecendo atividades como coral, fábrica de móveis e de software, além de um cinema.  Ao iniciar cada turno, as crianças são recebidas em uma grande roda, espaço onde ocorrem os debates e as combinações para o dia e para a semana.  Brigas, desobediências, dúvidas, conquistas, tudo é debatido na roda, estimulando as crianças a refletirem sobre as suas atitudes.

 

FUNDAÇÃO CASA GRANDE (NOVA OLINDA/CE)

A Fundação Casa Grande – Memorial do Homem Kariri é uma ONG criada em 1992.  Embora adultos trabalhem no local, o protagonismo infantil se mostra em todos os aspectos.  A gerente do museu, por exemplo, tem 11 anos.  A ideia é que os grandes cuidem dos pequenos e vice-versa, desenvolvendo o senso de responsabilidade e a autoestima.  A entidade conta com a rádio Casa Grande FM, cujos programas são apresentados por crianças e adolescentes, sem supervisão de adultos.

 

FAVELA NEWS (RECIFE)

Uma equipe formada por quatro jovens repórteres vai às ruas das favelas do Recife para questionar a comunidade sobre o que de bom ocorre na região, produzindo vídeos publicados na internet.  O projeto utiliza mídias digitais para oferecer meios de reconhecimento a moradores e para destacar o lado bom da favela: seus líderes, sua educação, seu trabalho, sua arte, sua energia para mover o mundo.

 

BIBLIOTECA CAMINHOS DA LEITURA (SÃO PAULO)

Em São Paulo, na região de Parelheiros, o diálogo é estimulado por meio da leitura.  A biblioteca empresta livros gratuitamente para moradores da comunidade.  O espaço promove atividades para trabalhar os moradores antes que a violência ocorra.  O projeto também inclui mediação de leitura em escolas e leitura para gestantes.

 

ORQUESTRA MARÉ DO AMANHÃ (RIO DE JANEIRO)

Criada em 2010, a orquestra está localizada no complexo de favelas da Maré, região conflagrada e que divide duas facções criminosas.  As crianças ensaiam em um contêiner instalado nos fundos de uma escola.  O projeto conta com 30 jovens na orquestra e atende outras 20 crianças com iniciação musical.  Por meio da música, os participantes desenvolvem o foco, a concentração e a autoestima.

 

DOIS PROJETOS, MUITOS SONHOS

 

- Boa tarde, Nova Olinda, está começando mais um Submarino Amarelo, na apresentação da Alícia – diz a pequena locutora, ao microfone da Casa Grande FM 104.9, da Fundação Casa grande.

No ar desde 2012, a iniciativa conta com a participação de crianças na cidade cearense de Nova Olinda.  Na programação, Alícia, de 13 anos, conta histórias, toca músicas e lê notícias que envolvam crianças.

- Posso dizer que a fundação salvou a minha vida. Eu não queria estudar, não queria fazer nada – relata a menina, que, muito pequena, assistiu à mãe ficar em estado vegetativo.  – Foi o momento de acordar e pensar “não posso ficar assim”.  Tinha de estudar, de me interessar, de continuar a vida. – conta Alicia, com maturidade de gente grande.

 

Já na Favela da Maré, uma das mais violentas do Rio, o projeto Orquestra Maré do Amanhã envolve mais de 20 crianças, da comunidade e de outros núcleos da capital fluminense.

Cristiano, 18 anos, jogava futebol em um dos grandes clubes do Rio.  Depois de um acidente, o jovem ficou quatro anos andando de muletas e acabou entrando em depressão.

- Não pude completar um sonho que eu tinha, que era ser jogador de futebol.  Eu gostava de música, então falei “pô, vou tentar a sorte”.  Eu vim, fui o primeiro flautista e estou aí até agora – conta.

 

Fonte:  ZeroHora/Marcelo Monteiro (marcelo.monteiro@zerohora.com.br) em 19/08/2016.

 

.