Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
2





                                              

                            

 

 

 


Documentário Infância Falada
Documentário Infância Falada

FILMA RETRATA PROJETOS PARA RESGATAR A INFÂNCIA

 

CIDADANIA:  A partir de pesquisa em 15 favelas, produção, lançada em agosto, aponta alternativas para a socialização de crianças em áreas violentas.

 

É possível, sim, resgatar a infância em comunidades assoladas pela violência.  É o que pretende comprovar o documentário INFÂNCIA FALADA, produzido pelo Centro de Análises Econômicas e Sociais (Caes) da Pontifícia Universidade Católica (PUCRS), em parceria com a produtora porto-alegrense Conta pra Mim Filmes.  O filme foi lançado em 19 de agosto, no Instituto Goethe, em Porto Alegre, mostra, ao longo de seus 53 minutos, experiências bem-sucedidas em projetos sociais que envolvem crianças e apostam no diálogo como solução de conflitos e diferenças.

 

A ideia do documentário, que em julho foi exibido em Viena, na Áustria, durante 3º Fórum da Associação Internacional de Sociologia, surgiu a partir de um mapeamento dos impactos da violência sobre crianças de zero a oito anos, realizado entre 2012 e 2014 em 15 favelas de São Paulo, do Rio de Janeiro e de Recife.  Mas, diferentemente da pesquisa, que salientou o violento cotidiano das comunidades pobres, o filme foca em soluções criativas para a socialização das crianças, apontando caminhos para que, desde cedo, permaneçam distantes das más influências e, por consequência, longe do crime.

- Pelos projetos, a gente vê que o diálogo é uma “tecnologia” avançadíssima.  Você tem de aplicar todo dia, e isso se incorpora, passando a fazer parte de sua rotina – afirma o coordenador da pesquisa, Hermílio Santos, professor da Escola de Humanidades da PUCRS e um dos diretores do filme.

 

Além das três capitais, os produtores também buscaram iniciativas positivas nas cidades de Araçuaí (MG) e Nova Olinda (CE).  Financiado pela Fundação Bernard van Leer, da Holanda, INFÂNCIA FALADA conta com versões em inglês e alemão e procura mostrar que a falta de diálogo é, na maior parte das vezes, a causa de violência nas favelas pesquisadas.

- O filme não podia abordar todos os itens da pesquisa.  A gente escolheu o mais importante, a falta de diálogo.  Porque todo este projeto não visa só a identificar os problemas, mas também a propor ações transformadoras.  Com a pesquisa, é possível indicar o que está errado e como se pode agir nesses locais – diz a jornalista Kamila Almeida, codiretora do filme.

 

MÚSICA E ARTE CONTRA O CRIME

 

Por meio de músicas e brincadeiras, o projeto Ser Criança utiliza horários complementares à escola formal e espaços comunitários de Araçuaí para desenvolver o lado lúdico e auxiliar na socialização, na formação da cidadania, no despertar da autoestima e no estímulo à solução de conflitos por meio da conversa entre os seus participantes, em sua maioria vindos de regiões pobres da cidade, situada no Vale do Jequitinhonha (MG).

- Não tem diálogo.  As pessoas não se entrosam, não conversam umas com as outras.  Então, qualquer coisinha é motivo de uma briga, de um conflito.  Eu já vi uma vizinha agredindo a outra, eu já vi uma morte – conta Emily, 14 anos, que faz parte do projeto, segurando o choro. – O moço morreu porque o outro atirou nele – completa.

 

Na favela da Maré, a experiência de criação de uma orquestra local voltada para os jovens é bem avaliada.

- No começo, achei que seria mais um projeto que não ia a lugar nenhum.  Na escola mesmo, todo projeto que chegava não demorava muito tempo – comemora Neusa, mãe de Giovanna, 17 anos, que hoje toca violino na orquestra.

 

Além do filme, a pesquisa do Caes/PUCRS também será divulgada futuramente por meio de um livro, ainda em fase de preparação.  A partir de novembro, o filme será disponibilizado no YouTube.  Por enquanto, o teaser pode ser visto no link zhora.co/infanciafalada.

 

TEASER:  https://www.youtube.com/watch?v=yfsJ8WKA7nQ

 

 

CONHEÇA OS PROJETOS

 

PROJETO SER CRIANÇA (ARAÇUAÍ/MG)

Atende a cerca de 160 crianças no turno inverso ao da escola, oferecendo atividades como coral, fábrica de móveis e de software, além de um cinema.  Ao iniciar cada turno, as crianças são recebidas em uma grande roda, espaço onde ocorrem os debates e as combinações para o dia e para a semana.  Brigas, desobediências, dúvidas, conquistas, tudo é debatido na roda, estimulando as crianças a refletirem sobre as suas atitudes.

 

FUNDAÇÃO CASA GRANDE (NOVA OLINDA/CE)

A Fundação Casa Grande – Memorial do Homem Kariri é uma ONG criada em 1992.  Embora adultos trabalhem no local, o protagonismo infantil se mostra em todos os aspectos.  A gerente do museu, por exemplo, tem 11 anos.  A ideia é que os grandes cuidem dos pequenos e vice-versa, desenvolvendo o senso de responsabilidade e a autoestima.  A entidade conta com a rádio Casa Grande FM, cujos programas são apresentados por crianças e adolescentes, sem supervisão de adultos.

 

FAVELA NEWS (RECIFE)

Uma equipe formada por quatro jovens repórteres vai às ruas das favelas do Recife para questionar a comunidade sobre o que de bom ocorre na região, produzindo vídeos publicados na internet.  O projeto utiliza mídias digitais para oferecer meios de reconhecimento a moradores e para destacar o lado bom da favela: seus líderes, sua educação, seu trabalho, sua arte, sua energia para mover o mundo.

 

BIBLIOTECA CAMINHOS DA LEITURA (SÃO PAULO)

Em São Paulo, na região de Parelheiros, o diálogo é estimulado por meio da leitura.  A biblioteca empresta livros gratuitamente para moradores da comunidade.  O espaço promove atividades para trabalhar os moradores antes que a violência ocorra.  O projeto também inclui mediação de leitura em escolas e leitura para gestantes.

 

ORQUESTRA MARÉ DO AMANHÃ (RIO DE JANEIRO)

Criada em 2010, a orquestra está localizada no complexo de favelas da Maré, região conflagrada e que divide duas facções criminosas.  As crianças ensaiam em um contêiner instalado nos fundos de uma escola.  O projeto conta com 30 jovens na orquestra e atende outras 20 crianças com iniciação musical.  Por meio da música, os participantes desenvolvem o foco, a concentração e a autoestima.

 

DOIS PROJETOS, MUITOS SONHOS

 

- Boa tarde, Nova Olinda, está começando mais um Submarino Amarelo, na apresentação da Alícia – diz a pequena locutora, ao microfone da Casa Grande FM 104.9, da Fundação Casa grande.

No ar desde 2012, a iniciativa conta com a participação de crianças na cidade cearense de Nova Olinda.  Na programação, Alícia, de 13 anos, conta histórias, toca músicas e lê notícias que envolvam crianças.

- Posso dizer que a fundação salvou a minha vida. Eu não queria estudar, não queria fazer nada – relata a menina, que, muito pequena, assistiu à mãe ficar em estado vegetativo.  – Foi o momento de acordar e pensar “não posso ficar assim”.  Tinha de estudar, de me interessar, de continuar a vida. – conta Alicia, com maturidade de gente grande.

 

Já na Favela da Maré, uma das mais violentas do Rio, o projeto Orquestra Maré do Amanhã envolve mais de 20 crianças, da comunidade e de outros núcleos da capital fluminense.

Cristiano, 18 anos, jogava futebol em um dos grandes clubes do Rio.  Depois de um acidente, o jovem ficou quatro anos andando de muletas e acabou entrando em depressão.

- Não pude completar um sonho que eu tinha, que era ser jogador de futebol.  Eu gostava de música, então falei “pô, vou tentar a sorte”.  Eu vim, fui o primeiro flautista e estou aí até agora – conta.

 

Fonte:  ZeroHora/Marcelo Monteiro (marcelo.monteiro@zerohora.com.br) em 19/08/2016.

 

.