Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
4





                                              

                            

 

 

 


Falar de Avaliação por Lurdes Maravilha
Falar de Avaliação por Lurdes Maravilha

FALAR DE AVALIAÇÃO

 

No limiar do Século XXI, a realidade sobre o sistema de avaliação qualitativa das nossas escolas apresenta-se ainda num leque distorcido e apercebemo-nos de que a avaliação qualitativa das mesmas focaliza-se essencialmente na aprendizagem dos alunos, sem se proceder a um diagnóstico sobre as dificuldades e facilidades dos mesmos.

Neste sentido, urge uma necessidade acrescida para o estudo desta causa. No entanto, demos conta que muito ainda há para fazer no sentido de colmatar esta lacuna.

Nesta perspectiva, vários autores alertam-nos para outras formas de procedimento, destacando a necessidade de uma mudança urgente neste conceito. Daí que, em primeiro lugar é preciso querer e aceitar mudar esta prática rotineira.

A mudança no sistema de avaliação visa, sobretudo, valorizar e dar ênfase aos conhecimentos construídos fora do contexto escolar, uma vez que só têm sido valorizados os padrões determinados pela instituição; o aluno da camada social menos favorecia fracassa diante da expectativa a seu respeito.

A marcha da avaliação qualitativa das escolas constrói-se sempre numa aliança inerente aos valores da própria sociedade, dando voz àqueles que nem sempre podem manifestar as suas opiniões.

Nesta linha de pensamento, vamos recordando que as avaliações qualitativas na maioria das nossas escolas têm sido realizadas através de relatórios ou questionários essencialmente dirigidos aos professores, ocultando assim a opinião dos alunos, Encarregados de Educação e suas experiências.

Para culminar esta etapa é de todo necessário proceder a uma planificação sustentável e reflexiva, visando sempre as possíveis falhas para a projecção de uma educação de qualidade e democrática.

Em prol dos alunos, dado que sem eles não há escola, torna-se necessário e fundamental a constituição de um conceito de avaliação escolar que atenda às necessidades de escolarização porque são eles que mais têm sofrido com o modelo de avaliação actual. E, se a sociedade exige um novo modelo de escola, é necessário também, criar um novo processo de avaliação.

Avaliar poderia ser um processo de autoconhecimento e, também, o conhecimento da realidade e da relação dos sujeitos com essa realidade.

Nesta óptica, a avaliação poderia contemplar os vários ritmos de desenvolvimento e progressão, não acumulando lacunas e deficiências, favorecendo o auto-conceito e estimulando o sucesso educativo de todos os alunos. A avaliação enfatiza a individualidade, a diferença, seleccionando os métodos e recursos, adequando o currículo às necessidades de cada aluno.

A avaliação é o elemento integrador e regulador da prática pedagógica. Integrador, ao permitir a recolha de informações e a formulação de decisões que atendam às necessidades específicas de cada aluno. Regulador, ao determinar adaptações curriculares e selecção de métodos, estratégias e recursos educativos.

Neste Contexto, o tempo ocupado pelos professores na realização das matrículas poderia ser revertido num acto de investigação e avaliação dos currículos. Assim, os professores poderiam estar organizados por equipas para que se processasse em cada organismo uma avaliação no fim de cada ano, sobre o trabalho realizado.

 Avaliar é analisar as actuações dos vários intervenientes educativos; é reflectir nas planificações e adaptações curriculares na prática pedagógica; é controlar em pequenos passos a aprendizagem; é ter consciência das dificuldades; é procurar outros caminhos; é procurar o sucesso de cada um para que todos o consigam alcançar.

Falar da Escola que temos e da Escola que queremos pressupõe a necessidade de uma reflexão que permita entender a complexa relação que se estabelece, quer entre os vários intervenientes no processo educativo, quer entre a Escola e a comunidade envolvente. Pressupõe, ainda, ter presente o papel que cabe à Escola: o de formar os alunos, não só visando a sua integração na sociedade, mas também transmitindo-lhes uma concepção de vida.

 

 

Maria de Lurdes Silva Maravilha