Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
13





                                              

                            

 

 

 


Fim da Censura às Biografias
Fim da Censura às Biografias

MERCADO LITERÁRIO

 

EDITORAS REVEEM PROJETOS COM O FIM DA CENSURA ÀS BIOGRAFIAS.

 

Livros e textos que estavam engavetados começam a ser repensados para ir às gráficas e livrarias. 

 

O impacto positivo da liberação das biografias não autorizadas no país é consenso entre escritores e editores brasileiros, mas nem todos concordam sobre as dimensões das mudanças.  Embora seja momento de comemoração para muitos, há quem siga mantendo a prudência mesmo após a decisão, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) votou pela derrubada de aprovação prévia de personagens ou herdeiros das obras biográficas.

- Esse é um divisor de águas.  Antes, não havia segurança jurídica para trabalhar com biografias – avalia o editor Tito Montenegro, da Arquipélago Editorial.

Montenegro aguardava a votação para lançar Elis, uma Biografia Musical, de Arthur de Faria.  Para Sérgio Machado, da editora Record, o momento não é de euforia:

- Não é claro o que seria uma verdade ofensiva a ponto de justificar a entrada de alguém na Justiça.  Há podres na vida dos biografados que podem ser considerados ofensivos, mesmo verdadeiros.

Para Julio Maria, que publicou Nada Será Como Antes, sobre a vida de Elis, a decisão expressa claramente que a liberdade prevalece sobre o direito à privacidade

- Tudo o que for da vida provada do biografado, mas refletir em sua vida pública, é material passível de estar em biografia.

Já Machado observa que os custos envolvidos em uma defesa judicial podem acabar com os rendimentos de um livro, mesmo com ganho de causa:

- Há custos com advogados e viagens que liquidam qualquer lucro.  Vamos continuar lendo originais com o mesmo rigor.

Luiz Fernando Emediato, editor da Geração Editorial, já publicava biografias não autorizadas antes da decisão do STF:

- Vamos continuar publicando biografias e enfrentando no tribunal quem se achar prejudicado.

 

O QUE VEM POR AÍ

A cantora Wanderléa prepara sua biografia, que poderia sofrer censura por expor histórias e aventuras de outros colegas de palco.  Está em processo de edição pela Record, que pretende lançar, também, livro que tem Jânio Quadros como tema e outro sobre o ex-deputado Roberto Jefferson.

Até o final do ano, a biografia não autorizada do recluso compositor Geraldo Vandré deve sair pela Geração Editorial, assinada por Jorge Fernando dos Santos.

A Arquipélago quer lançar Elis, uma Biografia Musical até a Feira do Livro de Porto Alegre, em outubro.

 

Por Alexandre Lucchese/Publicado em ZH em 12/06/2015

 

SUPREMO ENGRANDECE A BIOGRAFIA DO PAÍS.

 

Editorial diz que a decisão do Supremo Tribunal Federal sobre a publicação de biografias é também um manifesto contundente em defesa da liberdade de expressão. O voto da relatora Cármen Lúcia, que foi acompanhado pelos outros oito ministros presentes, não deixou dúvidas sobre a extensão da decisão a outras tentativas de censura no país.

 

O Supremo Tribunal Federal derrubou na última quarta-feira a censura prévia de biografias, declarando inconstitucional a interpretação dos artigos 20 e 21 do Código Civil que proibia a divulgação de obras biográficas sem a autorização prévia do biografado ou de seus familiares.  O julgamento foi, acima de tudo, um manifesto de defesa da liberdade de expressão e sua consolidação como garantia do pensamento, da informação e da própria burocracia.

O voto da relatora Cármen Lúcia, que foi acompanhado pelos outros oito ministros presentes, não deixou dúvidas sobre a extensão da decisão a outras tentativas de censura no país.  “Censura é forma de cala boca.  Pior, de cala Constituição.  Não é constitucionalmente admissível o esquartejamento da liberdade de todos em detrimento da liberdade de cada um”.

- Cala a boca já morreu – completou a ministra.  É a Constituição do Brasil que garante.

Os demais integrantes da Suprema Corte não só seguiram a relatora como também mandaram seus recados explícitos aos juízes de instâncias inferiores que seguidamente investem contra a liberdade de expressão.  “É uma liberdade preferencial”, explicou didaticamente o ministro Luís Roberto Barroso, ao analisar o aparente conflito com os direitos à intimidade, à imagem e à honra, também contemplados pela Constituição.

Barroso reconhece que não pode haver hierarquia entre direitos fundamentais, mas que, em caso de colisão, deve prevalecer a liberdade preferencial, e quem a ataca é que deve demonstrar o direito superador.  Não é o que os censores de biografia têm demonstrado, até mesmo porque, invariavelmente, se guiam por interesses subalternos, entre os quais o de comercializar informações que deveriam ser de todos.  Evidentemente, os autores de biografia não ficam isentos de responsabilização posterior em caso de informações falsas ou ofensivas à honra dos biografados.  Tampouco o direito à privacidade fica abolido, pois quem cometer injúria ou inverdade fica sujeito às penas previstas pela legislação.

O entendimento do Supremo Tribunal Federal sobre as biografia não autorizadas dignifica a Corte e o seu compromisso com as liberdades individuais.  E a lição que fica é clara e insofismável:  primeiro, publique-se; depois, julgue-se e faça-se a devida reparação em caso de descompromisso com a verdade.  A censura prévia é, sempre, um arbítrio.

 

BIOGRAFÁVEIS

Faça a lista de personagens que você quer conhecer melhor, agora que o Supremo acabou com a censura prévia às biografias.  Eu espero as biografias do Roberto Carlos, do José Maria Marin e do Pedro Barusco.  Mas não me interessa saber se Roberto Carlos namorou Gal Costa, Maysa e Zezé Macedo.

Espero que finalmente se esclareça se ele é mesmo o autor dos clássicos que fez com Erasmo Carlos.  O que é dele e o que é de Erasmo?  Dizem que Detalhes é de Erasmo.  E contam que o verdadeiro Roberto seria o que, depois do fim da dupla, passou a compor sozinho algumas coisas pavorosas.  Mas, enfim, sozinho, Erasmo também é autor de letras assustadoras.

A biografia do Marin terá de explicar a incitação à perseguição que levou ao assassinato do jornalista Vladimir Herzog, em 1975, nos porões da ditadura.

Em 2008, Marin ganhou o Colar do Mérito Institucional do Ministério Público paulista, quando já deveria ter ganho uma tornozeleira.  A biografia vai nos mostrar onde se meteram agora os amigos de Marin, inclusive os do MP.

A biografia do Pedro Barusco será espetacular.  Saberemos como um gerente de terceiro escalão da Petrobras atuou como único ladrão avulso da estatal durante o governo do PSDB.

Se a Polícia Federal, o MP e a Justiça não conseguirem esclarecer como ele agiu sozinho, por cinco anos, ficaremos na dependência da biografia para saber como acumulou a fortuna de US$ 97 milhões.  O título:  Barusco, o laranja sem dono.

 

Por Moisés Mendes/Colunista ZH em 12/06/2015

 Pesquisa e Postagem/Nell Morato