Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
17





                                              

                            

 

 

 


Furacão Janis Joplin
Furacão Janis Joplin

FURACÃO JANIS

 

DOCUMENTÁRIO EM CARTAZ NOS CINEMAS RELEMBRA FULGURANTE TRAJETÓRIA DA CANTORA QUE MORREU EM 1970, AOS 27 ANOS.

 

A sina é recorrente na trajetória de jovens artistas que alcançam a fama e a fortuna carregando sobre os ombros o desajuste social e o desconforto existencial.  Janis Joplin lançou o primeiro de seus quatro discos de estúdio em 1967 e morreu de overdose de heroína em 1970, aos 27 anos, logo após a gravação de PEARL, lançado no ano seguinte e consagrado como o maior sucesso daquela que é uma das mais brilhantes e fugazes estrelas da música pop.

 

JANIS: LITTLE GIRL BLUE, documentário em cartaz em Porto Alegre, ressalta diferenças que colocam Janis Joplin acima de qualquer comparação com as artistas que vieram depois dela.  A diretora Amy J. Berg mostra a cantora texana como pioneira no protagonismo das mulheres no universo do rock, até então dominado pelos homens.  E lembra que o estandarte do que hoje se chama “empoderamento feminino” já era erguido por Janis em questões como direitos civis e livre-arbítrio sobre seu corpo.

 

O filme combina uma fartura de material garimpado em arquivos pessoais e depoimentos atuais de amigos, familiares e músicos, que iluminam a vida, a obra e o legado de Janis.  Esse perfil é desenhado pela própria cantora, por meio das cartas e diários nos quais descrevia sua inadequação para a vida confortável que tinha no interior do Texas com o pai engenheiro mecânico, a mãe e o irmão e a irmã caçulas.  Quando comemorou seus 27 anos, Janis, já rica e famosa, escreveu aos pais, com quem sempre manteve uma relação afetuosa, sobre uma ambição sua ainda não realizada:  “ser amada”.

 

Adolescente que não se enquadrava nos padrões de beleza reverenciados pelos garotos, Janis canalizou o isolamento e a hostilidade na escola em sua paixão pela música negra americana.  Saiu de casa para cantar em bares de Austin, viu que era isso que queria fazer na vida e desembarcou em San Francisco, em 1963.  A cidade onde germinava a psicodelia e a contracultura que moldaram a música e o comportamento da era hippiew colocou a garota em contato com as drogas pesadas.  Seu caminho cruzou com o do grupo Big Brother and the Holding Company, do qual se tornou vocalista.  A banda lançou com ela o disco homônimo, de 1967, e o antológico CHEAP THRILLS (1968), este com duas releituras que a voz potente e rasgada de Janis tornou icônicas: SUMMERTIME E BALL AND CHAIN, blues que ilustrou um ponto de virada na sua carreira: a performance no Festival de Monterey, em junho de 1967.

 

Seguiu-se então um turbilhão físico e emocional.  Janis decidiu seguir carreira solo e gravou com uma nova banda o LP I GOT DEM OL’ KOSMIC BLUES AGAIN MAMA! (1969).  A cantora começou o último ano de sua vida no Brasil, no verão de 1970, iniciando um processo de desintoxicação que a fez entrar no estúdio para gravar PEARL no auge de sua forma física e vocal.  Consagrou no disco sucessos como ME AND BOBBY MCGEE e MERCEDES-BENZ.  Amigos atribuem sua fatal overdose, em 4 de outubro, a um trágico acidente de percurso, provocado por uma recaída estimulada pela crônica solidão de quem era adorada por multidões.

 

 

 

CINEBIOGRAFIA SEGUE EMPACADA

A primeira cinebiografia de Janis Joplin é uma novela que volta e meia ameaça sair do papel, mas empaca e retorna ao ponto de partida.  Em 2006, foi  anunciada a produção do filme, com a cantora Pink e a atriz Zooey Deschanel cotadas para o papel de Janis.  À mesma época, especulou-se outra produção, com Renée Zellweger.  Nenhuma delas foi adiante.

 

O projeto mais consistente chama-se JANIS JOPLIN: GET IT WHILE YOU CAN, e o primeiro diretor a ele associado, em 2010, foi Fernando Meirelles.  O brasileiro não gostou do roteiro e pediu para o colega José Eduardo Belmonte fazer outro tratamento, que, por sua vez, não foi aprovado pelos produtores.  Em 2014, a ideia foi retomada, associada a Lee Daniels (Preciosa) e, depois, a Jean-Marc Vallee (Clube de Compras Dallas).  Amy Adams foi confirmada como protagonista.  No ano passado, o projeto foi interrompido devido a uma disputa judicial entre os estúdios que bancariam o filme e o autor do roteiro finalmente aprovado.

 

Assim, o mais próximo que se tem de uma cinebiografia de Janis Joplin é A ROSA (1979), que valeu a Bette Midler a indicação ao Oscar de melhor atriz.  Por não ser um projeto autorizado pela família da cantora, algumas liberdades foram tomadas, e o nome da diva roqueira foi alterado para Mary Rose Foster.

 

TRAILER DO DOCUMENTÁRIO: 

https://www.youtube.com/watch?v=M0iKbR92lYQ

 

 

Fonte:  Zero Hora/Marcelo Perrone (marcelo.perrone@zerohora.com.br) em 8 de julho de 2016.