Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
4





                                              

                            

 

 

 


Líder Português Quer Rever Nova Ortografia
Líder Português Quer Rever Nova Ortografia

LÍDER PORTUGUÊS QUER REVER NOVA ORTOGRAFIA

 

PRESIDENTE REBELO DE SOUZA DIZ QUE PAÍS PODE MUDAR POSIÇÃO DE ADESÃO A ACORDO EM VIGOR EM PORTUGAL DESDE 2009.

CRÍTICOS PORTUGUESES VEEM NA REGRA ATUAL SUBMISSÃO AO BRASIL, COM ALTERAÇÕES COMO ‘ATOR’ EM VEZ DE ‘ACTOR’

 

Oficialmente, o último acordo ortográfico está em vigor em Portugal desde 2009, mas ainda enfrenta resistência em vários setores.  Na semana passada, o time dos descontentes recebeu um apoio de peso: o novo presidente português se mostrou favorável à revisão das regras.

 

Em visita a Moçambique – país lusófono que, assim como Angola, não ratificou as mudanças –, Marcelo Rebelo de Souza admitiu que a não adesão dos africanos pode permitir a Portugal também rever sua posição no acordo.

 

Na quarta-feira (11), a Associação Nacional de Professores de Português e vários membros da organização “Cidadão contra o Acordo Ortográfico” recorreram à Justiça pedindo a anulação da norma que disseminou o uso da nova ortografia no país.

 

No cargo há dois meses, Rebelo de Souza nunca escondeu sua contrariedade sobre o tema.  Na década de 1990, ele assinou um manifesto que reuniu 400 personalidades portuguesas contrárias ao acordo ortográfico.

 

Embora as críticas públicas tenham se abrandado, o livro de imagens de sua campanha à Presidência, “Afectos”, não adota as mudanças ortográficas nem no título.

 

Em “O Acordo Ortográfico Não Está em Vigor” (ed.Guerra & Praz), o embaixador e professor de direito internacional Carlos Fernandes diz que o acordo fere também princípios jurídicos e, por isso, não deveria ser adotado.

 

Segundo Fernandes, além de as regras anteriores não terem sido oficialmente revogadas, o governo português tampouco cumpriu trâmites legais obrigatórios para a entrada em vigor dos novos parâmetros da língua.

 

O debate sobre uma possível revisão do acordo – há quem defenda até um referendo – provocou uma “caça às bruxas” ortográfica.  Vários políticos tiveram currículos, biografias e livros vasculhados em busca de indícios de que são contrários às mudanças na escrita.

 

CRÍTICAS AO BRASIL

Embora tenha sido assinado em 1990 pelos Estados de língua oficial portuguesa, o acordo precisa passar por ratificação interna em cada país para entrar em vigor.  Brasil, Portugal, São Tome e Príncipe e Cabo Verde já promulgaram a decisão.

 

Já Angola e Moçambique – que concentram a maioria dos falantes do português depois do Brasil – ainda não têm data para ratificar.

 

O português é a quinta língua mais falada do mundo, com cerca de 280 milhões de falantes, dos quais 202 milhões estão no Brasil, 24,7 milhões em Angola, 24,6 milhões em Moçambique e 10,8 milhões em Portugal.

 

Entre os críticos portugueses e africanos, as alterações são encaradas como submissão aos desejos do Brasil.  A língua oficial do país é várias vezes pejorativamente chamada de “brasileiro”.

 

Um dos motivos da discórdia é o fim das consoantes mudas presentes em várias palavras de Portugal.  Com o acordo, prevaleceu a versão brasileira.  Por exemplo: actor vira ator e óptimo, ótimo.

 

Segundo o Ministério da Educação brasileiro, as mudanças afetaram cerca de 0,8% dos vocábulos do Brasil e 1,3% dos de Portugal.

 

GOVERNO DEFENDE

O governo de Portugal segue o acordo ortográfico, e vários ministros saíram em defesa das regras.

 

Considerado o pai do acordo e um dos mais influentes linguistas lusitanos, Malaca Casteleiro também tem defendido sua aplicação.

 

O primeiro-secretário do Brasil em Lisboa, André Pinto Pacheco, afirmou que “a embaixada acompanha com atenção o assunto, procurando esclarecer o Estado e a  opinião pública de Portugal sobre a aplicação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa no Brasil”.

 

Diretor do setor de lexicografia e lexicologia da Academia Brasileira de Letras, Evanildo Bechara minimizou as críticas do presidente português e ressaltou o ritmo da implementação do acordo na comunidade lusófona.  “É um processo irreversível.”

 

“Uma alteração ortográfica não é para a geração que a fez, mas para uma geração futura”, afirmou Bechara.  O uso da nova ortografia é obrigatório no Brasil desde 1º de janeiro deste ano.

 

Fonte:  Folha de S.Paulo/Giuliana Miranda (Colaboração para a Folha, em Lisboa) em 15 de maio de 2016.