Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





                                              

                            

 

 

 


Memorial do Rio Vermelho
Memorial do Rio Vermelho

MEMORIAL DO RIO VERMELHO

SE FOR DE PAZ, PODE ENTRAR**

 

JORNALISTA DO CORREIO DO POVO RELATA SUAS IMPRESSÕES SOBRE A CASA DE JORGE AMADO E ZÉLIA GATTAI ABERTA HÁ VISITAÇÃO DESDE 2014.

 

NA CASA TOTALMENTE INTERATIVA, OS VISITANTES TÊM A OPORTUNIDADE DE EMBARCAR EM UMA VIAGEM AO UNIVERSO DE JORGE E ZÉLIA.

 

Quando visitei, nos anos 90, as casas museus de Pablo Neruda, no Chile, fiquei impressionada com a vasta e eclética exposição de objetos, que reunia desde sapatos poloneses a insetos e aves emplumadas. Porém, nenhuma delas, ou até mesmo as três juntas, provocaram em mim a emoção e o deslumbramento que vivenciei ao conhecer recentemente o MEMORIAL DO RIO VERMELHO, em Salvador, inaugurado em novembro de 2014, um museu vivo da história de amor e das obras literárias dos escritores Jorge Amado e Zélia Gattai.  Inclusive as cinzas do casal estão jogadas no jardim, próximo aos banquinhos onde sentavam e conversavam, sob uma frondosa mangueira.

 

Na casa totalmente interativa, os visitantes têm a oportunidade de embarcar em uma viagem ao universo de Jorge Amado e Zélia.  Tudo é mágico e bonito.  E assim como o poeta chileno, Jorge era um colecionador indiscriminado, guardava vários tipos de souvenires, de miniaturas de sapos a bonecas russas.  Tudo que lhe encantava, a dupla trazia na bagagem quando viajava, e todos os objetos vindos do exterior fazem parte do acervo do museu, como copos de prata da Sicília, bonecos da Suécia, Rússia, Tailândia, Camboja e China.  No closet, a coleção de boinas, chapéus, óculos e bengalas do escritor, com as suas roupas mais festivas.  Dela, os vestidos mais bonitos, óculos leques, chapéus e luvas.  É este ambiente, “Trocando cartas”, ao meu ver, a parte mais tocante da visita, pois há inúmeras gavetas com as cartas apaixonadas (datilografadas) enviadas por Jorge a Zélia, e vice-versa, quando precisavam ficar longe um do outro.  Muitas delas enviadas de Paris.  Elas são projetadas na parede e lidas por um locutor anônimo, o que deixa até quem não é romântico, emocionado.  Em outro aposento, as inúmeras máquinas de fotografar de Zélia.  Há dezenas de imagens de São Jorge em meio a milhares de peças da arte popular baiana.

 

Quem já leu o livro de Zélia, de 2004.  MEMORIAL DO AMOR, vai se sentir literalmente “em casa”.  “Sobre nossa casa, de Jorge e minha, na rua Alagoinhas, 33, no bairro do Rio Vermelho, muito já se disse, muito se cantou.  Citada em prosa e verso, sobra-me, no entanto, ainda o que dela falar.  Fico pensando se alcançarei escrever todas as histórias, tantas, de gente e de bichos que nela passaram”.  Foi neste endereço que ela viveu por 40 anos com Jorge Amado e onde muitos dos livros do escritor baiano e brasileiro mais conhecido do mundo foram escritos, em uma máquina de escrever que ainda está no local, só que agora com destaque, na sala principal.

 

Mas a história contada ali na casa do Rio Vermelho não se limita à vida dos escritores, que foram casados por 56 anos e tiveram dois filhos, João Jorge e Paloma, mas sim dos personagens dos seus livros, costumes e signos que representavam a identidade da Bahia e que Jorge Amado tão bem apresentou ao mundo todo, em suas centenas de viagens.  Tieta, Teresa Batista, Dona Flor, Gabriela e Nacib e tantos outros estão mergulhados na atmosfera literária que circula entre as paredes da moradia.

 

O Memorial levou 12 anos para ficar pronto, talvez por isso seja tão especial e completo.  Depois de muita espera, recebeu do atual prefeito uma verba adicional de R$ 6 milhões para o encerramento do projeto, que teve a curadoria do renomado arquiteto e designer Gringo Cardia, um gaúcho que se consagra como um artista múltiplo genial.  É dele também a curadoria do Museu da Cruz Vermelha, na Suiça.  Sua varinha mágica criou 17 salas temáticas onde o público tem a chance de ler, ouvir, tocar, ver e sentir a história de vida dos Amado.  Impossível aqui descrever uma a uma, mas destaque para a “Cozinha de Dona Flor”, onde a quituteira da família, Dadá, ensina receitas de iguarias baianas; a sala de visitas, “A amizade é o sal da vida”, onde se vê imagens de quem esteve por lá, como Lev Smarcevski, Betty King, Jack Nicholson, Roman Polansky, José Saramago, Gabriel García Márquez, Pierre Verger, e muitos nomes da arte nacional, como Vinícius de Moraes, Glauber Rocha, Dorival Caymmi, Tom Jobim, João Ubaldo Ribeiro, Nelson Pereira dos Santos e Di Cavalcanti.  “Por aqui já passaram pessoas ilustres e as mais simples, do povo.  Também presidentes da República, intelectuais famosos e muita mãe-de-santo, políticos e o moleque da quitanda”, escreveu Zélia em “Memorial do Amor”.  Em outro quarto, “Os Viajantes”, entre malas e valises, fotografias das inúmeras viagens pelo mundo, como quando Zélia andou de elefante na Tanzânia.  Em um outro espaço, “Muitas Vidas, Tantas Obras”, cantores e atores baianos declamam trechos dos livros de Jorge e, nas varandas, imensas estantes com exemplares com os 45 livros publicados por Jorge, e suas versões traduzidas e editadas em mais de 55 países.

 

 

PAIXÃO À PRIMEIRA VISTA.

 

Zélia Gattai conheceu Jorge Amado em 1945, quando trabalharam juntos no movimento pela anistia dos presos políticos.  Ela tinha 29 anos, era recém-separada e tinha um filho.  Jorge há pouco havia terminado um casamento de 11 anos e tinha uma filha.  Ambos faziam parte do Partido Comunista Brasileiro (PCB).  Foi uma paixão à primeira vista e poucos meses depois já estavam vivendo juntos.

 

A partir de então, Zélia Gattai trabalhou ao lado do marido, passando a limpo, à máquina, seus originais e o auxiliando no processo de revisão.  Em 1946, com a eleição de Jorge Amado para a Câmara Federal, o casal mudou-se para o Rio de Janeiro, onde nasceu o ilho João Jorge, em 1947.  Um ano depois, com o Partido Comunista declarado ilegal, Jorge Amado perdeu o mandato e a família teve que se exilar.  Viveram em Paris por três anos, período em que Zélia fez os cursos de civilização francesa, fonética e língua francesa – na Sorbonne.  De 1950 a 1952 a família viveu na Checoslováquia, onde nasceu a filha Paloma.  Foi nesse tempo de exílio – que Zélia Gattai começou a fotografar e registrar em imagens todos os momentos importantes da vida do escritor baiano.

 

Em 1963, a família voltou a Salvador e foi morar na Casa do Rio Vermelho, que havia sido comprada em 1961 com o dinheiro recebido pela venda do direito de filmagem de “GABRIELA CRAVO E CANELA” para os estúdios Metro-Goldwyn-Mayer (MGM).  Com o tempo, o casal comprou os imóveis ao redor para ampliá-la e cultivar um jardim.  Tinham também um apartamento em paris, onde passavam alguns meses do ano.

 

Assim que comprou a casa, Jorge Amado chamou os amigos artistas para que o ajudassem na decoração.  O projeto foi do arquiteto Gilbert Chaves, os gradis foram feitos por Mário Cravo e as portas foram gravadas por Calazans Neto.  As portas das salas são do muralista e pintor Hector Julio Páride Bernabó, o Carybé, um fã que se tornou um dos melhores amigos de Jorge, que, ao conhecê-lo, veio da Argentina para viver em Salvador.  Este também pintou os pequenos azulejos em azul e branco que revestem a cama do casal no ambiente “Amores e Amantes”.  Jenner Augusto pintou os basculantes de vidro.  Na parede, há azulejos pintados por Pablo Picasso.

 

 

SALAS TEMÁTICAS

 

*  A Bahia de Jorge Amado

*  A Amizade É o Sal da Vida

*  A infância / Memórias de Dona Lau

*  Os Viajantes

*  Varandas

*  Amores e Amantes

*  Zélia Gattai, Companheira Graças a Deus

*  O Comunista

*  Trocando Cartas

*  Os Amados Sabores de Jorge

*  A Cozinha de Dona Flor

*  Sala de Leitura

*  Muita Vida, Tantas Obras

*  Lago dos Sapos

*  Roda de Conversa sobre Jorge Amado

 

**  Frase na porta de entrada.

 

Fonte:  Correio do Povo/Claudia Moritz (Jornalista) em 14 de maio de 2016.