Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
14





                                              

                            

 

 

 


Morte de Federico García Lorca
Morte de Federico García Lorca

MORTE DE GARCÍA LORCA: 19 DE AGOSTO DE 1936, PIOR DAS NOTÍCIAS.

                                                    

Em 1937, Pablo Neruda perguntava:  “Como se atrever a destacar um nome dessa imensa selva de nossos mortos?”  É certo: todas as vidas têm o mesmo valor desmedido.  Mas há mortes que ganham força e alcance pelo símbolo em que se convertem, como sublinha a filóloga Isabel Clúa na introdução  da antologia poética;  “O Crime foi em Granada”.

 

“O Crime foi em Granada”, assim se erguia a voz de Antonio Machado na primeira reação poética diante de um assassinato tão absurdo e injusto.  A terra natal de Lorca convertida em seu leito de morte.  Morrer na própria terra como símbolo universal da pior das guerras (sim, existem as piores): aquela em que se enfrentam pessoas de uma mesma raiz e de um mesmo sangue.

 

“Eu sou espanhol por inteiro e me seria impossível viver fora dos meus limites geográficos; mas odeio ao que é espanhol e nada mais; sou irmão de todos e execro o homem que se sacrifica por uma ideia nacionalista, abstrata, pelo simples fato de que ama a sua pátria com uma venda nos olhos.  O chinês bom está mais perto de mim que o mau espanhol.  Canto a Espanha e a sinto até a medula, mas, acima de tudo, sou homem do mundo e irmão de todos.  Assim, não creio na fronteira política”.  Dado que para a sua condenação, o poeta não teve direito a julgamento nem sentença, essas palavras suas, numa entrevista dada poucos dias antes de sua morte, podem servir para ilustrar a absoluta incompatibilidade entre a sua forma de sentir e a nebulosa nacionalista que se espalhou pelo país.

 

A dor e seu manto / Vêm mais uma vez ao nosso encontro / E uma vez mais no beco do pranto / Chuvosamente entro

 

Miguel Hernández converte a noticia terrível da morte do poeta num presságio, o de outras mortes e o do começo de uma longa ditadura.  A notícia correu de boca em boca, primeiro do lado republicano; depois, com ressonância internacional.  Uma mancha que seguiria pesando sobre o regime que governaria depois da guerra.  Machado e Hernández, ambos poetas, acabaram também sendo vítimas da violência franquista, com armas menos estrondosas que as balas que martirizaram Lorca.  Miguel Hernández morreu de tuberculose na prisão, enquanto Machado encontraria o destino ao cruzar a fronteira da França.

 

A vida de exílio é outra forma de morrer, como foi a sorte de muitos outros, entre os quais a do poeta Luis Cernuda, engrossando a sombra do sofrimento provocado pelo franquismo, que assinalou:

 

Por isso te mataram, porque eras / Verdura e nossa terra árida / E azul em nosso ar obscuro.

 

 

O fascismo italiano registrou o seu primeiro e simbólico caso de violência com o assassinato de um político socialista, Giacomo Matteotti.  O nazismo, com a chamada “Noite dos Longos Punhais”, deu seu salto para a frente na radicalização política.  Na Espanha, o assassinato de Lorca marca uma tônica distinta: a primeira vítima simbólica de um sacrifício, cuja notícia alertou o mundo, seria um poeta.  A guerra incivil de Franco abrigou, como acontece em todas as ditaduras, travada contra os humanistas e os pensadores.  Assassinaram, prenderam e exilaram todos os intelectuais que ousaram enfrentar o poder.  A liberdade de expressão ficou reservada aos poderosos e também aos psiquiatras.

 

Antonio Vallejo Nájera e outros se encarregariam de propiciar tratamentos de choque contra a decadência da raça espanhola.  As mulheres que no teatro de Lorca tinham encontrado uma referência de igualdade (em virtudes e defeitos) com o homem, voltaram a ser relegadas a uma condição de inferioridade respaldada por Nájera, o psiquiatra favorito do regime franquista:  “Atrofia a inteligência da mulher como as asas das mariposas da ilha de Kerguelen, visto que a missão dela no mundo não é lutar na vida, mas carregar a descendência de que tem de lutar por ela”.  Os filhos das republicanas eram separados das mães, com o beneplácito do gabinete de Investigações Psicológicas, para isolar esse “gene vermelho”.

 

Ficava proibida uma condenação tão revolucionária como aquela, na obra de Lorca, dirigida pela Velha a Yerma, punida pela negação do seu direito à maternidade: “A culpa é de seu marido, estás ouvindo?”  Deixaria que me cortassem as mãos.  Nem seu pai, nem seu avô, nem seu bisavô se comportaram como homens de casta”.  Yerma, assassinando o esposo, também assassina o filho que ele nunca quis lhe dar.  Tiradas vistas como delirantes saídas da mente de um dramaturgo homossexual.

 

Com Lorca morreu mais que o homem, o intelectual, o escritor, o dramaturgo, o músico e o poeta.  Morreu uma voz que abria a Espanha ao mundo.  Fechou-se por muitos anos a porta entre a cultura oficial e a cultura dos ciganos.  Caiu a vasta ponte lançada pelo poeta com os negros dos Estados Unidos.  Secou-se o manancial subterrâneo que desde o simbolismo e o surrealismo francês fez brotar os versos desse andaluz universal.  Miguel de Unamuno condenou o franquismo a uma impotência intelectual e cultural que se instalou, de fato, ao longo de uma ditadura cinza e interminável: “Vencereis, mas não convencereis”, vaticinou em 1936, o filósofo.

 

Só o dogmatismo de um catolicismo tão obscuro como o dos piores anos da contrarreforma serviria de falso argumento a Franco.  O ditador sem estatura não tinha o super-homem de Nietzsche como livro de cabeceira, mas a mão incorruptível de Santa Teresa.  “Esse escritor morreu no meio dos revoltosos.  São acidentes naturais da guerra”, assim o ditador Franco, mais uma vez tendo somente o argumento do vencedor, despachava a imprensa, conforme lembra Ian Gibson, o historiador que dedicou anos da sua vida à investigação da morte de García Lorca.  O poeta Antonio Machado exortou:

 

Edifiquem, amigos,/ De pedra e sonho, no Alhambra,/ Um túmulo para o poeta,/ Sobre uma fonte onde chore a água / E eternamente diga: / O crime foi em granada, / em sua Granada!

 

O assassinato de Lorca segue pesando sobre as frágeis asas d eum país com muitos problemas de identidade.  Os festivais de teatro, os violões dos ciganos, as vozes de Camarón de la Isla, de Enrique Morente, de Leonard Cohen e muitas outras repetem como um eco suas obras imortais.  A sua ausência segue rondando a árida paisagem desta terra esquartejada.

 

Casa dos Rosales, em Granada, onde García Lorca foi preso.

Fonte:  Correio do Povo/CS/Ugo Ceria (Italiano, poeta, letrista, doutor em Sociologia pela Sorbonne, publicitário em Madrid e admirador da música de Vitor Ramil) em 20/8/2016.