Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
14





                                              

                            

 

 

 


Noventa sem cueca!
Noventa sem cueca!

Noventa sem cueca!

por Cláudia de Villar

http://claudiadevillar@yahoo.com.br

A família do vovô Nestor estava preocupada. Seu Nestor havia se esquecido de vestir a cueca. Sim. Seria Alzheimer?

Eram três filhos. Todos amavam o pai, por isso a preocupação. Tudo começou quando um dia ele se esqueceu de calçar os chinelos. Andava descalço pela casa.

- Pai, de pés descalços? Vá calçar os chinelos!

E ele ia resmungando:

- Mas estou com os pés no chão. Não é isso que importa?

Noutro dia, o pai aparece sem a dentadura.

- Pai, cadê a dentadura? Vá colocar!

Seu Nestor sai da mesa do café resmungando:

- Mas eu só vou beber leite. Pra que os dentes?

Certa vez, o vovô apareceu na sala de visitas, quando estavam recebendo o rapaz do Censo sem os óculos (era quase cego), batendo em tudo.

- Pai, cadê os óculos?

- Óculos? Que óculos?

- Os que o senhor não está usando! Vamos lá buscar.

E a filha sai da sala, pedindo licença ao funcionário. O pai sai resmungando:

- Mas não era apenas pra responder às perguntas? Óculos pra quê?

Numa festa de aniversário de uma nora, Seu Nestor ficou responsável pela entrega do presente que a família havia comprado e entregue ao pai para ele dar à nora.

- Pai, cadê o presente da Cíntia?

Nisso, Cíntia fica com cara de paisagem na frente da família.

- Ora – começa o avô -, mas na semana passada eu falei com a Cíntia e ela me disse que só a nossa presença bastava. Fui à loja e pedi para trocarem o vestido por uma fatiota.

Nesse instante, brotou um galhinho verde na cara de paisagem da nora.

Os filhos, preocupados com a situação do pai, levaram-no ao geriatra. Só podia ser algum problema decorrente da velhice. Noventa anos não era para qualquer um. Para alguns, noventa anos significava estar morto em vida, principalmente para alguns parentes com mentes entediadas e engessadas.

O geriatra diagnosticou: Seu Nestor estava ótimo.

A família, diante do diagnóstico e como o pai não melhorava, convocou uma reunião com todos os membros da família, juntamente com o pai.

- Pai, o que está acontecendo?

- Nada.

- O senhor tem esquecido as coisas!

- Eu?!

- Sim.

- Que nada. Vocês é que só fazem questão de lembrar demais.

- Mas pai...

- Me deixem, me deixem...

- Não podemos esquecer coisas importantes pai...

- Chega, chega... – sai o pai resmungando.

Ninguém tinha coragem de continuar discutindo com o vovô. Até que numa certa manhã, aconteceu.

Todos em torno da piscina. Um calorão.

- Vamos dar um mergulho?! – convida o filho.

- Oba! Vamos! – grita a criançada da casa.

- Temos que ir trocar de roupa. – fala o netinho.

- Não. Vamos dar um mergulho de cueca mesmo. Só estamos nós mesmos, os homens, na casa!

Nisso, todos tiram as roupas e ficam de cueca.

Seu Nestor, sem nenhum pudor, tira as calças de tergal e fica nu. Todos olham boquiabertos. As crianças riem.

- Pai, cadê a cueca? – repreende o filho.

- Ora, cueca pra quê?

- Pai!!! Devemos vestir cueca! – fala o filho.

- Que engraçado. Parece que foi ontem que a sua irmã disse que não devemos esquecer as coisas importantes.

- Pois então! O senhor esqueceu-se de vestir a cueca!

- Não é nada disso! Eu lembrei que em época de amor aos animais, respeito à vida e à liberdade, devemos deixar “o bicho solto”. – E caiu na piscina.