Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
9





                                              

                            

 

 

 


O Contador de Histórias
O Contador de Histórias

O CONTADOR DE HISTÓRIAS

 

DRAMATURGO E ESCRITOR IVO BENDER COMPLETA 80 ANOS HOJE COM UM NOVO LIVRO DE CONTOS PRATICAMENTE PRONTO.

 

Sentado ao lado da cachorra Artemísia no apartamento do bairro Auxiliadora onde mora há 38 anos, Ivo Bender é a personificação dos elementos que caracterizam suas peças teatrais e seus contos: sarcástico, trágico e sempre sujeito à irrupção do fantástico, no sentido literário.  Como nesta declaração que surgiu durante a conversa com a reportagem:

 

- Se eu soubesse que a velhice é uma coisa tão terrível, teria me matado aos 50 anos.  Mas ninguém me disse isso.

 

Bender também gosta de drama, mas tem motivos para comemorar os 80 anos, que completa hoje.  Apesar do problema de visão que o impede de distinguir os rostos das pessoas e que o força a escrever no computador com fonte tamanho 48, segue produzindo como sempre.  É considerado o mais importante dramaturgo gaúcho em atividade, embora não escreva mais peças teatrais.  A última, intitulada DIÁLOGOS ESPECTRAIS (2004), já foi motivo de leituras dramáticas, mas permanece inédita no palco.  Trata da relação de um tradutor com a poeta Emily Dickinson, a quem Bender venera e cujos versos ele mesmo verteu ao português.  Desde 2010, quando publicou o livro CONTOS (L&PM), tem se dedicado à narrativa breve em prosa.  Em 2015, ganhou o Prêmio Açorianos de Literatura na categoria conto com uma segunda coletânea, QUEBRANTOS E SORTILÉGIOS (Terceiro Selo).  E está pronto para lançar um terceiro livro do gênero – ele considera a escrita do conto “mais fácil” do que a dramaturgia.  Pretende ir amanhã à editora para dar notícias sobre o mais recente trabalho.  Segundo a Dublinense, ainda não há título, nem previsão de publicação da coletânea.

 

Durante o encontro com a reportagem, Bender narrou demoradamente e com evidente prazer alguns dos novos contos, muitos deles inspirados – como é seu costume – nas próprias lembranças familiares, transfiguradas em um registro fantástico.

 

- Na verdade, não sou contista, mas um contador de histórias.  Às vezes, não tenho para quem contar, então narro para esta aqui – declara, acariciando a cachorra que chama de Mísia.

 

Bender, que deplora o teatro engajado e ficou insatisfeito com suas próprias incursões no teatro político durante a ditadura militar (“Era preciso fazer”, diz ele), é um agudo observador dos descaminhos da nação hoje:

 

- Chegar aos 80 anos em um país selvagem, arcaico e injusto como o Brasil é um ato heroico.  Chegar a esta idade, quando tudo conspira contra a pessoa, contra o envelhecimento, o amadurecimento... Olha o que está acontecendo, estamos parados.  Hoje (quinta-feira passada), estão julgando um cafajeste no Congresso (referência a Eduardo Cunha).  Sobreviver dentro dessa coisa insuportável é um tour de force.

 

No último dia 14, Bender foi homenageado pela Escola de Espectadores de Porto Alegre com leituras dramáticas dirigidas por Camila Bauer e debates com a presença dele e de interlocutores como o ator Marcelo Ádams e o dramaturgo Diones Camargo.  Em 2012, foi homenageado da 5ª FestiPoa Literária.  Um ano antes, em seus 75 anos, ganhou uma semana de atividades no 6º Festival Palco Giratório.  Mas suas peças têm sido raramente encenadas nos palcos do estado.

 

- Ou o texto teatral está sendo desacreditado ou serve de pretexto para um diretor qualquer cometer suas loucuras – especula Bender. – No momento, o teatro que interessa (aos artistas) é aquele que é improvisado sobre um romance ou conto.  Ou, então, aquele que é criado por meio de exercícios durantes os ensaios.

 

Por causa da dificuldade de visão, o autor não frequenta mais salas de espetáculos.  Considera frustrante a experiência de não poder ver a expressão no rosto dos atores.  Mas o impedimento não arrefeceu sua convicção na força de um teatro que dispensa o excesso de recursos e soluções extravagantes:

 

- O teatro é um espaço vasto, no qual cabe de tudo, do teatro engajado ao teatro do absurdo.   Só que tem que ser feito.  Você pega os gregos, por exemplo.  É texto descarnado de qualquer decoração.  Você pode fazer em frente a uma cortina preta com os atores vestidos de preto e de pés descalços.  E deu.

 

“Transitando com sucesso entre comédias, tragédias e peças para crianças, além de ensaios teóricos e traduções, Ivo é o mais bem-sucedido e versátil de todos os que se dedicam à dramaturgia por estas terras.”  Marcelo Ádams – Ator e professor da UERGS.

 

“O que mais admiro em Ivo é seu apreço pela palavra, sua inteligência nas escolhas narrativas e o aprimoramento constante dos seus textos, o que deixa claro seu profundo respeito não apenas pelo teatro, mas também pela literatura. “  Diones Camargo – Dramaturgo.

 

 

Fonte:  ZoeroHora/Segundo Caderno/Fábio Prikladnicki (fabio.pri@zerohora.com.br) em 23 de maio de 2016.