Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
9





                                              

                            

 

 

 


O Futuro é Mulher / Projeto Unimúsica
O Futuro é Mulher / Projeto Unimúsica

O FUTURO É MULHER

 

PROJETO UNIMÚSICA COMPLETA 35 ANOS E TRAZ À CAPITAL A CANTORA MARIA BETHÂNIA EM SHOW COM INGRESSO ESGOTADOS.

 

Uma das mais importantes e longevas programações artísticas do Estado, o Unimúsica chega aos 35 anos em 2016.  A cada temporada, a realização do Departamento de Difusão Cultural da Pró-Reitoria de Extensão da UFRGS escolhe um mote comum para seus shows musicais – e, neste ano especial, o projeto celebra seu legado olhando para a frente: sobre a palavra futuro é o nome da série de concertos populares que se inicia em Porto Alegre amanhã, no Salão de Atos da UFRGS.  Maria Bethânia é a primeira atração desta edição “futurista”, em que se destaca ainda outra particularidade: as seis apresentações agendadas serão protagonizadas somente por mulheres.

 

- Em primeiro lugar, foi, digamos, um contraponto à série irreverentes, de 2015, que contou só com homens na programação.  Mas há, claro, uma questão sobre a discussão de gênero, no fundo.  Há muitas mulheres na liderança em muitas frentes, mas há muito para ser feito em termos de reconhecimento e de representatividade.  Não dá para se pensar em futuro sem pensar nessas temáticas.  Futuro é conversar sobre gênero e sobre etnia.  Não é por acaso que temos duas artistas negras na programação e uma artista que coloca a sua voz a serviço dos povos indígenas – explica Lígia Petrucci, coordenadora e curadora do Unimúsica, referindo-se às cantoras negras Juçara Marçal e Elza Soares e a Marlui Miranda, que há décadas dedica-se à pesquisa e ao registro de expressões musicais dos indígenas brasileiros.

 

Amanhã à noite, no espetáculo Bethânia e as Palavras, a diva baiana leva para o palco a especial relação que mantém com a literatura por meio de poemas e textos selecionados por ela, mesclando-os com músicas pouco usuais em seu repertório.  O projeto conta com a colaboração de Hermano Vianna e Elias Andreato e a participação do violonista Paulinho Dafilin e do percussionista Carlos Cesar.  Maria Bethânia costura leituras de autores como Fernando Pessoa, Guimarães Rosa, Manuel bandeira, Cecília Meireles, Sophia de Mello Breyner Andersen, Caetano Veloso e Ferreira Gullar com canções brasileiras e portuguesas – como ABC do Sertão, Romaria, Último Pau de Arara, Estranha Forma de Vida, Marinheiro Só e Dança da Solidão.

 

A distribuição de ingressos do Unimúsica foi alterada: a partir deste ano, as entradas poderão ser retiradas apenas presencialmente, no mezanino do Salão de Atos, três dias antes de cada espetáculo, das 9h às 20h – não haverá mais reservas pela internet.  Outra novidade é que, em vez da tradicional troca de um quilo de alimento não perecível por ingresso, a produção adotou o livro em bom estado de conservação como forma de participação nos concertos da série.

 

Na segunda-feira, os ingressos para o show de Maria Bethânia se esgotaram em uma hora – mas a intérprete retorna ao Estado no dia 9 de julho, apresentando o espetáculo Caderno de Poesias no encerramento da 32ª Feira do Livro de Canoas.

 

7 DE JULHO

JUÇARA MARÇAL

Integrante de projetos musicais como Metá Metá, A Barca e Vésper Vocal e figura de destaque da nova cena musical paulistana, a cantora e compositora carioca vem mostrar seu primeiro disco solo, chamado Encarnado, acompanhada de Kiko Dinucci (guitarra), Rodrigo Campos (guitarra e cavaquinhoi) e Thomas Rohrer (rabeca).  O álbum está disponível para download gratuito no site www.jucaramarcal.com

 

04 DE AGOSTO

MARLUI MIRANDA

Cantora, compositora, arranjadora e produtora cultural, a artista dedica-se há quase 30 anos à pesquisa e a produções na área da música indígena.  Acompanhando-se no violão e na percussão, Marlui dividirá o palco com uma banda de virtuosos instrumentistas: Rodolfo Stroeter (contrabaixo), Paulo Bellinati (violão), Caíto Marcondes (percussão) e Ricardo Mosca (bateria).

 

1º DE SETEMBRO

KARINA BUHR

Baiana criada em Recife, a cantora e compositora traz a Porto Alegre o show de Selvática, seu terceiro disco – cujo norte é a temática feminista.  Intérprete de presença incendiária no palco, Karina gravou o álbum ao lado de músicos como Edgard Scandurra, Fernando Catatau, Guizado e Manoel Cordeiro, entre outros – além de contar com as participações de Elke maravilha e Denise Assunção na faixa-título.

 

6 DE OUTUBRO

CARINA LEVITAN / GUTCHA RAMIL / GISELE DE SANTI / VANESSA LONGONI

Cantoras, compositoras e instrumentistas de trajetórias distintas, que vão da canção tradicional à experimentação sonora, as quadro gaúchas se apresentarão pela primeira vez juntas no show coletivo Sobre a Palavra Futuro.  – Não tem nada definido ainda, mas imagino que será algo bem audacioso, combinando canções, poesia, performances sonoras e artes visuais – aposta a curadora Lígia Petrucci.

 

3 DE NOVEMBRO

ELZA SOARES

Depois de arrebentar o público porto-alegrense no começo de abril com A Mulher do Fim do Mundo, a veterana cantora volta com o show de seu mais recente disco – considerado pela crítica um dos melhores de 2015.  Além de músicas desse elogiado álbum – como a faixa-título, Luz Vermelha, Firmeza?!, Pra Fuder e Maria da Vila Matilde –, Elza deve apresentar temas consagrados, tipo A Carne, Volta por Cima e Pressentimento.

 

 

Fonte:  ZeroHora/Segundo Caderno/Roger Lerina (roger.lerina@zerohora.com.br) em 1º de junho de 2016