Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
25





                                              

                            

 

 

 


Poesia Crítica em Estado de Poesia.
Poesia Crítica em Estado de Poesia.

POESIA CRÍTICA

MÚSICA CHICO CÉSAR

 

Menos de um ano após sua mais recente passagem por Porto Alegre, o compositor Chico César retorna à Capital gaúcha para espetáculo hoje à noite. (em 27/01/2016).  E, se em 2015 sua visita ao Estado ocorreu dentro da turnê de 26º Prêmio da Música Brasileira, que teve Maria Bethânia como homenageada, desta vez o artista vem divulgar seu mais recente disco.

Baseada no álbum ESTADO DE POESIA (2015), a apresentação ocorre no Teatro do Bourbon Country  e demais informações sobre o show...

O registro quebra um hiato em que o músico ficou oito anos sem colocar um compacto de inéditas no mercado.  Deste período, seis anos foram dedicados à gestão pública: o cantor foi diretor da Fundação Cultural de João Pessoa e Secretário de Estado da Cultura na Paraíba – onde nasceu.  Durante essa fase, chegou a passar por uma espécie de bloqueio até que surgiu a canção PATCHULI, a qual acabou sendo gravada por Elba Ramalho.  “Ali, eu vi que estava começando a voltar a compor”, relembra.

Conforme o próprio Chico César, a vida na política aguçou sua percepção das contradições “entre a pujança criativa e a relativa pobreza de meios de produção”, além de mexer com seus sentidos de afeto e da criação.  Como resultado, escreveu um álbum engajado e cheio de musicalidades distintas.  “Depois de ficar muito tempo sem compor, estou, até certo ponto, reivindicando meu lugar.  É como me coloco no mundo, como compositor”, explica ele, ressaltando que o mundo precisa de “mais troca” para viver um estado de poesia.

 

 

No disco, o paraibano se reveza entre abordagens pessoais e um discurso explícito sobre questões sociais.  Um exemplo da faceta política está em REIS DO AGRONEGÓCIO.  Nos versos dedilhados dos 11 minutos da canção, aparecem frases como “Vocês que pilham, assediam e cobiçam / A terra indígena, o quilombo e a reserva” ou “Vocês já não tão nem aí com aquelas vidas / vejam como é que o agrobusiness humaniza”.  A composição é uma colaboração com Carlos Rennó e uma das únicas faixas a não ser assinada exclusivamente pelo paraibano – a outra é QUERO VIVER, parceria póstuma com Torquato Neto.

Já o racismo e a hipocrisia no  Brasil são denunciados em NEGÃO, na qual o ritmo embalado do reggae contrasta com o teor crítico das palavras do autor:  “Negam que aqui tem preto, negão / Negam que aqui tem preconceito de cor”.

“Reggae virou um gênero meio de surfista, com essa coisa de namorinho.  Mas a matriz traz questões negras, reivindicações”, relembra ele.

 

 

As duas faixas integram o que o músico chama de lado B de ESTADO DE POESIA.  Enquanto essa segunda metade do registro aborda o lado mais engajado de Chico César, a metade inicial é voltada para o seu interior.  É nessa face mais introspectiva que se encontra a canção-título, originalmente feita sob encomenda para Bethânia.  “Para viver em estado de poesia / Me entranharia nestes sertões de você / Paradeixar a vida que eu vivia / de cigania antes de te conhecer”, canta o músico, que tem um cuidado especial com as palavras.

“É em torno dela que a coisa se mexe, que vem a melodia. É por sua causa que vêm a instrumentação e arranjos”, afirma, completando:  “Às vezes, fico procurando a sonoridade que a palavra pede.  Às vezes, compondo, me faltam palavras, e aí preciso criar alguma, nem que seja para usar em uma só canção”.

Com samba, forró, frevo e toada, o disco tem produção do próprio artista, em parceria com Michi Ruzitscha, e foi contemplado pelo edital Natura Musical.  A distribuição física ficou por conta da Pommelo Distribuições, enquanto a digital é responsabilidade do Laboratório Fantasma – em um modelo de parcerias que o músico considera adequado ao mercado atual.  Já o show, meio ano após o lançamento do disco, “está maduro”, segundo o paraibano.   “Poder mostrar músicas novas é uma conquista para mim”, finaliza.

 

Fonte:  Jornal do Comércio/Ricardo Gruner em 27 de janeiro de 2016.