Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
12





                                              

                            

 

 

 


Por Que Escrever?
Por Que Escrever?

Por Que Escrever?

 

       Um dia alguém me perguntou o que eu escrevia e para que. O que quero dizer com a minha escrita? Ora, nem eu mesma sei. Escrevo porque gosto, porque o papel me escuta e grava meus sentimentos sem me fazer nenhuma pergunta. Ele está alí, pronto para me ouvir e fazer-se eterno divulgador do que me vai à alma. Lembro Mário Quintana quando diz em “O trágico dilema”: “Quando alguém pergunta a um autor o que este quis dizer, é porque um dos dois é burro”. E foi pensando nessa frase que dei a mim mesma a resposta. Quando o autor escreve, ele o faz para o mundo, daí cabe a cada um dar o sentido que acha que lhe fica apropriado. Escrever é como extravasar sentimentos que estão explodindo de vida, rasgando as entranhas para correr o mundo, livres.

       Escreve-se para sentir prazer. Cada parágrafo, ou verso, é como se fosse um filho parido que vem do gozo para sacramentar um ato de amor, quase divino. Escrever é como abrir o coração e deixar o sangue da vida jorrar, sem sentir dor ou pudor de vê-lo aberto. Confissões reveladas no papel dizem do mais profundo do meu eu. Têm a força da perpetuidade, e vive, até depois do ultimo suspiro. Transito pelas letras como o jardineiro entre as flores semeadas, que já começam a florir. Admirando-as, com a satisfação dos que têm o dever cumprido.

       Caminho entre as cinzas de um passado morto, reavivando-o, e o presente, onde as flores que serão colhidas ao amanhecer exalam o perfume das primaveras. Escrevo o passado para ter razões de chorar e sentir saudades, assim, sairá o texto molhado de lágrimas, com a dor aflorada... Todos nós somos feitos de memórias. Nos fragmentos encontramos pedaços de nós. Haverá os que chorarão ao ler cada palavra, pois todos nós vivemos correndo, entre o passado adormecido e um futuro incerto, mas que grita anunciando que está a chegar. Nesta revisitação ao que foi, tenho medo de ser um fantasma de asas cortadas. Visto-me então, da força motriz que alavanca a vida para seguir em frente. Paradoxo. Que seja!

       Embaralho as palavras. Transmuto-me. Corro na noite silenciosa e sombria e abro a janela para deixar entrar a luz de um novo dia. Mas, por que escrevo os dois extremos, quando me escondo num recanto sombrio para armazenar os sentimentos contidos, e quando escancaro a janela da vida para gritar o meu maior e mais alto grito? Preciso de uma razão para isso? Tenho dois rostos. O de ontem, criança de riso aberto, o de hoje, mulher que tem receios de sorrir... Ora! A vida é agora. Não se tabela a existência. Escreve-se a vida, do jeito que dá para escrever. O importante é que tenhamos histórias para contar. É para isso que se escreve? Volto a Quintana que diz: “Eu moro em mim mesmo. Não faz mal que o quarto seja pequeno. É bom, assim tenho menos lugares para perder as minhas coisas”. Morreu na miséria deixando uma riqueza imensurável para nós. Escreve-se na verdade, sem pretensão alguma. Eu digo que escrevo eu mesma. Embora seja tão pequena, não hei de perder-me pelos meus recantos. Encontro-me na escrita. O que quero dizer? Está escrito...

Lígia Beltrão