Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





                                              

                            

 

 

 


Prêmio Nobel de Literatura
Prêmio Nobel de Literatura

NOBEL POR DAR VOZ AO SOFRIMENTO.

 

Bielorussa SVETLANA ALEXIEVICH foi eleita Nobel de Literatura 2015.

 

A Academia Sueca elegeu a bielorussa Svetlana Alexievich, 67 anos, como Nobel de Literatura 2015.  A jornalista era apontada como a favorita nas casas de apostas para suceder o francês Patrick Modiano, vencedor do ano passado.

Na cerimônia de divulgação do premiado, a professora e crítica literária Sara Danius justificou a escolha de Svetlana pela força da “obra polifônica da autora, que é um monumento ao sofrimento e à coragem do nosso tempo”.  Em entrevista coletiva, Sara também chamou a atenção para o trabalho de pesquisa da autora na criação de seus livros, entrevistando centenas de homens, mulheres e crianças.

- Ela inaugura um novo gênero literário, entre o jornalismo e a ficção – apontou a crítica.

De acordo com  a Academia, “por meio de seu método extraordinário – uma colagem de vozes humanas cuidadosamente composta – Alexievich aprofunda nossa compreensão de uma era inteira”.

Svetlana Alexievich nasceu em maio de 1948 na cidade ucraniana de Ivano-Frankivski, filha de um bielorrusso e uma ucraniana.  A família mudou-se para a Bielorrússia quando ela ainda era criança, e lá trabalhou como professora e jornalista enquanto estudava na Universidade de Minsk, entre 1967 e 1972.

 

 

Oposicionista ao regime soviético, Svetlana começou a carreira como jornalista formada em um jornal de Brest, cidade próxima à fronteira com a Polônia.  Mas foi no retorno à capital Minsk que começou a carreira como escritora, lançando, em 1985, o livro-reportagem War’s Unwomanly Face (“A face não feminina da guerra”, sem tradução para o português), baseado em entrevistas com centenas de mulheres que viveram a II Guerra Mundial.  O trabalho viria a ser o primeiro da série Vozes da Utopia, em que a vida na União Soviética é retratada da perspectiva dos indivíduos.

Recentemente, ela afirmou em entrevistas que tem muito respeito pelos ucranianos que, com seus protestos, expulsaram do poder o ex-presidente pró-Rússia Viktor Yanukovich em 2014.  “Penso que o império ainda não desapareceu.  E, pessoalmente, tenho a inquietante impressão de que n ão desaparecerá sem derramamento de sangue”, disse a autora.

Apesar de ter sido traduzida para 22 línguas, a escritora até agora era ignorada pelo mercado editor brasileiro.  O único livro da autora traduzido para o português é Second-hand Time:  The Demise of the Red (Wo) Man, de 2013, que saiu apenas em Portugal, sob o título O Fim do Homem Soviético.  Seu título mais conhecido é Voices from Chernobyl – Chronicle of the Future, escrito em 1997.  Entre outros livros, ela também assina Zinky Boys – Soviet Voices from a Forgotten War, sobre a guerra soviética no Afeganistão.

Svetlana é a 14ª mulher a receber a honraria, que concede 8 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 3,7 milhões) aos vencedores.  O prêmio já foi de 10 milhões de coroas suecas (4,7 milhões), mas a Academia reduziu o montante em 2012.

 

OS VENCEDORES DO PRÊMIO NOBEL DE LITERATURA DESDE 2000.

 

2014:  PATRICK MODIANO – O escritor francês é conhecido por livros que abordam pela ficção as consequências da II Guerra Mundial, como Remissão da Pena e Flores da Ruína.

2013:  ALICE MUNRO – A contista canadense constrói narrativas com densas personagens femininas.  Tem diferentes títulos publicados no Brasil pela Biblioteca Azul e pela Cia das Letras.

2012:  MO YAN – Os livros do escritor chinês fundem realidade, contos populares e ficção fantástica.  Neste mês, seu romance As Rãs foi lançado no Brasil.

2011:  TOMAS TRANSTRÖMER – O poeta sueco, que morreu em março, tem sua obra traduzida para mais de 50 países, mas ainda não chegou ao mercado editorial do país.

2010:  MARIO VARGAS LLOSA – Jornalista e escritor peruano, tem mais de 40 títulos publicados, entre ficção e ensaio.  Destacam-se romances como A Guerra do Fim do Mundo.

2009:  HERTA MÜLLER – Escritora alemã conhecida pelos relatos sobre a Romênia comunista de Nicolae Ceausescu, como A Raposa Já Era o Caçador.

2008:  JEAN-MARIE GUSTAVE CLÉZIO – O autor franco-mauriciano tem mais de 40 obras publicadas, entre contos, romances e ensaios.  Um dos destaques é Refrão da Fome, romance que aborda a Europa sob o nazismo.

2007:  DORIS LESSING – Considerada pela Academia Sueca como uma “contadora épica da experiência feminina”, a escritora britânica morreu em 2013, e tem vários títulos publicados no Brasil.

2006:  ORHAM PAMUK – Romancista turco, tem best-sellers internacionais como os romances Neve e O Livro Negro, nos quais aborda questões sociais e religiosas.

2005:  HAROLD PINTER – Morto em 2008, o britânico tem importantes obras na dramaturgia e na prosa.  É autor de A Volta ao Lar, peça dirigida no Brasil por Fernando Torres.

2004:  ELFRIEDE JELINEK – A austríaca aborda temas contemporâneos como a violência na sociedade de consumo.  No Brasil, publicou A Pianista e Desejo.

2003:  J.M.COETZEE – Natural da África do Sul, publicou mais de 20 livros, muitos deles lançados no Brasil.  As obras tratam de temas como violência, censura, opressão e exílio.

2002:  IMRE KERTÉSZ – Autor de romances como Sem  Destino e Liquidação, o escritor húngaro é conhecido por abordar a violência da II Guerra, da qual ele mesmo foi vítima.

2001:  V.S. NAIPAUL – Nascido em Trinidad e Tobago, trabalhou na Inglaterra como jornalista.  Tem vários livros publicados no país, abordando desde sua infância até temas contemporâneos.

2000:  GAO XINGJIAN – O escritor chinês trabalha a realidade de seu país em romances e peças de teatro.  No Brasil, publicou A Montanha da Alma, que está esgotado.

 

Fonte:  ZeroHora/Segundo Caderno em 09/10/2015