Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





                                              

                            

 

 

 


Processo de Conscerto do Desejo, de M.Nachtergaele
Processo de Conscerto do Desejo, de M.Nachtergaele

UMA MISSA PAGÃ

 

Teatro:  MATHEUS NACHTERGAELE homenageia a mãe, que perdeu aos três meses, em espetáculo com poemas escritos por ela e canções que admirava.

 

Alguns lutos só podem ser cumpridos por meio da arte.  Aos 48 anos, o ator Matheus Nachtergaele trouxe ao 23º Porto Alegre Em Cena um espetáculo tão singular quanto a experiência que registra: uma homenagem à mãe, que se matou quando ele tinha apenas três meses.  Processo de conscerto do desejo é o espetáculo.  O neologismo presente no título faz referência a “concerto” – já que a música está presente – e a “conserto”, ou seja, reparo.  Afinal, não é o próprio luto uma forma de colocar em ordem o sentimento?

 

Ao lado dos músicos Luã Belik (violão) e Henrique Rohrmann (violino), Nachtergaele recita poemas escritos por sua mãe, Maria Cecília, e interpreta canções das quais ela gostava.  São poucos objetos em cena, mas todos repletos de significado: um espelho, um leque, uma cadeira de palha e um vestido preto como aquele que a mãe usaria no batizado do filho e acabou vestindo em seu próprio enterro.  Na difícil tarefa de dar nomes às coisas, o ator prefere definir este trabalho como uma “missa pagã”:

- Reuni, na forma de espetáculo, alguns dos conceitos que me interessam profundamente: o teatro como celebração, nascido do depoimento pessoal e íntimo do artista, e a performance para a qual fui formado como ator.  Sou cria de Antunes Filho e do Teatro da Vertigem.

 

Para Nachtergaele, a mãe não é uma desconhecida.  Costuma dizer que estiveram jutos do período uterino até os três meses de idade – ele admira Maria Cecília por tê-lo esperado.  O espetáculo, portanto, é um reencontro.  Por meio dele, o ator pode não superar o luto, mas “fazer da dor poema”, em suas palavras.  Apresentar uma peça com a mãe, ele observa, é um milagre que só o teatro pode realizar:

- Finalmente estamos juntos.  Ela é a autora; seu filho, o arauto de seu poema.  Estamos juntos na carne, pela descendência, e na arte, pelo fazer.  A peça é um lamento repleto de alegria e satisfação.

 

Com o julgamento tocado pela relação afetiva, Nachtergaele considera os poemas da mãe “surpreendentemente concisos e ternos”, próximos do tom de Marguerite Duras com sua “dor feminina e feminista de quem ama os homens”. São versos que tratam de temas como as coisas da vida, o filho, a cadeira e a mariposa e que “pedem ternura apesar da sombra sempre entrevista pela artista”. Para que distanciamento crítico quando se tem amor?

 

O pai, Jean Pierre, assistiu ao espetáculo, em São Paulo, chorando.  Foi ele quem havia dado a Matheus os poemas dela quando o filho tinha 16 anos, o “dia terrível” em que contou tudo sobre o suicídio de Maria Cecília.  Nunca haviam falado disso antes e não voltariam a abordar o assunto depois.  Talvez por isso o teatro ofereça o melhor luto de todos: porque, no palco, o espetáculo sempre recomeça.

 

 

Fonte:  Zero Hora/Segundo Caderno/Fábio Prikladnicki (fabio.pri@zerohora.com.br) em 19/9/2016.