Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





                                              

                            

 

 

 


Ruas de Pedra de Coimbra
Ruas de Pedra de Coimbra

                                        RUAS DE PEDRA        

 

       Coimbra! Antigo sonho que acalentei por anos. Finalmente chega o dia de ir conhecer esta cidade, berço do saber de Portugal, que tem o Rio Mondego a beijar-lhe os pés. Saio toda prosa, com saltos altos, sentindo-me a tal, claro, e eu lá desço do salto? E lá me vou arruar por estas ruas de tantas histórias. Vejo coisas lindas. Aprendo outras tantas. Encanto-me com os alunos da Universidade e seus mantos negros estendidos sobre os ombros, mostrando-me o tamanho respeito às tradições, vendendo cartões para arrecadarem fundos para algo referente aos cursos, talvez a festa de formatura. Sou alumbramento e encantada caminho desfilando o meu imaginário charme brasileiro, como se fosse a dona do mundo. Ao menos, sou dona dos meus sonhos, ora! Belas ruas calçadas com pedras irregulares contam-me seculares casos e histórias. Belas e escorregadias pedras. Quem diria que eu as beijaria?!

 

Entrada da Universidade de Coimbra

       O município é limitado a norte pelo município da Mealhada, a leste por Penacova, Vila Nova de Poiares e Miranda do Corvo, a sul por Condeixa-a-Nova, a oeste por Montemor-o-Velho e a noroeste por Cantanhede. É considerada uma das mais importantes cidades portuguesas, devido a infraestruturas, organizações e empresas para além da sua importância histórica e privilegiada posição geográfica no centro da espinha dorsal do país. A cidade de Coimbra é também referência nas áreas do Ensino e da Saúde. O feriado municipal ocorre a 4 de Julho, em memória da rainha Santa Isabel de Aragão, padroeira da cidade. Foi Capital Nacional da Cultura em 2003 e é uma das cidades mais antigas do país, tendo sido capital do Reino, e apresenta como principal ex-libris a sua Universidade, a mais antiga de Portugal e dos países de língua portuguesa, e uma das mais antigas da Europa.

 

 

       Após ver a magnitude da tão conhecida Universidade de Coimbra, desço por suas ruas, abobalhada com a beleza do lugar. Sou uma turista metida à senhora de si, pensando que tem o mundo aos pés. Ou melhor, nos saltos altos. Numa esquina daquelas, uns trabalhadores fazem algum serviço na rua. De repente vejo um ônibus, enorme, vindo à minha direção e olho-o feito uma abestalhada... Meu Deus! Que foi isso? Já não sabia o que estava acontecendo. Tentei levantar-me, em vão, o mundo girava ao redor de mim. Meu companheiro olha-me assustado. Pudera... Dois enormes braços, de avantajados bíceps de operário, presos a um cara alto estão a apanhar-me do chão. Olho-o surpresa:

 

- Poxa! Eu caí – falo sem saber o que dizer, e ainda com uma unha raspada. Ô pedra danada! Por que estava bem no meu caminho? Graças a ela, a pedra, eu estava estatelada no chão, feito uma Maria mole.

 

-Machucou-se? – pergunta-me o grandalhão –

 

E eu, ainda sem entender nada respondo sentindo a mão doer e o corpo meio trêmulo:

 

- Não. Não me machuquei. Obrigada! Só raspei a unha e a ponta do dedo sangra um pouco – falei olhando pra cima, pois o cara era grande -, logo passará...

 

       Agradeci a presteza com a qual me ajudou e continuei meu caminho até chegar ao meu destino e ir à casa de banho, lavar-me e colocar um curativo no dedo. Dei-me conta de que estou ficando madura... Ó constatação! Pobre de mim “estabacada” no chão de Coimbra sobre pedras seculares. Ao menos tive o bom gosto de ir cair em Portugal e ser amparada por um operário de braços fortes. Beijei o chão de Coimbra graças ao meu salto alto. Ora, a gente cai e levanta... E lembrando o magnífico Miguel Torga:

“Agora, o remédio é partir discretamente, / sem palavras, / sem lágrimas, / sem gestos. / De que servem lamentos e protestos, / contra o destino?”

      

        Foi o que fiz. Levantei e continuei meu passeio e a descobrir histórias... Aquelas que se guarda no coração. Para sempre. Realizada e feliz, voltei para casa. No dia seguinte me doía todo o corpo, a mão, a ponta do dedo arrancado o pedaço, mas estava feliz e de salto alto. Isso é o que chamo, literalmente de não descer do salto.

 

Continuei a passear e a namorar Portugal. Tenho com ele um pacto de amor.

 

Ruas de Coimbra.  O símbolo representa que aqui, outrora, era uma muralha.

 

 Lígia Beltrão