Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
14





                                              

                            

 

 

 


Vidas Severinas
Vidas Severinas

VIDAS SEVERINAS

 

“MORTE E VIDA SEVERINA”, poema épico de João Cabral de Melo Neto, tem trajeto refeito em especial de TV.

 

Pernambucano radicado há 20 anos em Brasília, o repórter da Globo, Gerson Camarotti por muito tempo alimentou o desejo de voltar aos cenários de sua infância e juventude imortalizados pelo escritor João Cabral de Melo Neto (1920-1999) no poema épico Morte e Vida Severina, lançado em 1955.  Ao lado da diretora Cristina Aragão, Camarotti refez o trajeto do personagem Severino, um retirante que foge da seca e da fome no sertão de Pernambuco percorrendo a Zona da Mata rumo a Recife.  O poema descreve, no caminho guiado pelo rio Capibaribe, um sofrido painel social e geográfico que se tornou referencial na cultura brasileira.

O especial Morte e Vida Severina – 60 anos Depois, que foi exibido no canal GloboNews, é o resultado da jornada de 1,4 mil quilômetros vencidos em duas semanas pelos jornalistas e uma equipe de três pessoas – a narração é do ator pernambucano Jesuíta Barbosa.

- É o projeto da minha vida – diz Camarotti. – Queria ver qual a realidade hoje no cenário descrito no poema.  Não vimos fome, a mortalidade infantil foi reduzida e também não encontramos o trabalho infantil que eu registrava quando era repórter regional 20 anos atrás.  Mas a falência da monocultura da cana de açúcar e o fechamento dos grandes engenhos geraram um processo de exclusão.  E se tornou grave a questão ambiental.  O Capibaribe, que sofria com a seca, agora sucumbe à poluição.

 

        

 

Carioca que bem arcou no projeto com “o olhar estrangeiro”, Cristina destaca que ocorreu um espécie de inversão de realidades:

- Conversamos com 40 pessoas e fomos indagando sobre como vivem e suas expectativas.  Percebe-se melhorias na qualidade de vida no sertão profundo, onde casas passaram a contar com cisternas, amenizando o drama da falta de água.  Ainda existem as “viúvas da seca”, mulheres que assumem o sustento da família quando os homens buscam emprego em outros Estados.  Por sua vez, a região dos manguezais de Recife se deteriorou nos aspectos social e ambiental, com pessoas vivendo sobre palafitas em meio ao lixo.

Cristina destaca a mudança no perfil da população mais jovem:

 

- É uma geração que vê na educação a chance para mudar sua realidade.  Em Ouricuri, no sertão, encontramos um filho de vaqueiro que se formou engenheiro agrônomo.  Na Zona da Mata, uma menina de 15 anos, filha e neta de cortadores de cana, cursa o Ensino Médio e deseja estudar Medicina.

O texto de Morte e Vida Severina que lhe é tão familiar, ressalta Camarotti, materializou-se em trechos da jornada:

- Cruzamos com dois coveiros que tinham diálogos tão fortes como os coveiros que Severino encontra no final de sua viagem.

 

 

      

 

MARCO DA CULTURA BRASILEIRA

Publicado em livro em 1955 e com diversas reedições, Morte e Vida Severina ganhou montagens nos palcos em 1958, pelo grupo Norte Teatro Escola do Pará.  A estreia no centro do país foi em 1960, pelo Teatro Experimental Cacilda Becker, em São Paulo.  Em 1965, Chico Buarque musicou o poema para a montagem do Teatro Tuca, da PUCSP.

Morte e Vida Severina virou filme em 1977, dirigido por Zelito Viana e com José Dumont no papel de Severino.  Dumont repetiu o trabalho na minissérie da Globo exibida em 1981 e vencedora do prêmio Emmy Internacional.

Em 2010, o diretor Afonso Serpa apresentou a versão em desenho animado do poema, a partir do trabalho do artista gráfico Miguel Falcão.

Morte e Vida Severina – 60 anos Depois, foi exibido no Canal GloboNews em 24/10/2015 e posteriormente disponibilizado no serviço sob demanda GloboNews play.

 

Fonte:  ZeroHora/Marcelo Perrone (Marcelo.perrone@zerohora.com.br) em 24/10/2015