Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
12





                                              

                            

 

 

 


Leia Mulheres
Leia Mulheres

LEIA MULHERES

                             

Iniciativas estimulam a formação e a valorização de escritoras.

 

Pare e lembre: quantos livros escritos por mulheres você leu recentemente?  Embora o número de leitoras seja maior se comparado ao de leitores – 59% da ala feminina tem hábito de leitura frequente, contra 52% dos homens, segundo a Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil de 2015 –, o que se vê nas prateleiras é justamente o contrário.  A diferença de representatividade de gênero no mercado editorial foi apontada na prática: em um estudo conduzido pela professora da Universidade de Brasília (UnB) Regina Dalcastagnè, dos livros publicados pelas três principais editoras do país entre 1990 e 2004, 72% são de autoria de homens.  Vai além: quando se fala de personagens femininas, o que se vê sã mulheres brancas no papel de donas de casa, enquanto as negras aparecem como empregadas domésticas e prostitutas.

 

Para tentar driblar o descompasso e, principalmente, estimular o consumo (e a publicação) de literatura escrita por mulheres, a escritora britânica Joanna Walsh criou, em 2013, o projeto #ReadWomen.  Inspiradas pela iniciativa, Juliana Gomes, Juliana Leuenroth e Michelle Henriques lançaram uma versão brasileira em espécie de clube do livro, o Leia Mulheres (www.leiamulheres.com.br) propõe a leitura e o debate de uma obra diferente a cada mês – sempre assinadas por alguém do sexo feminino.

- Quando conheci o projeto (da Joanna, Read Women), pensei:  É verdade, sou feminista, mas quase não leio mulheres, é um absurdo” – conta Michelle em entrevista à revista Donna.

 

É justamente esse estalo ao deparar com os números que demonstram a falta de representatividade feminina na literatura que faz com que o Leia Mulheres ganhe força.  Ainda que seja dedicado a divulgar e incentivar o trabalho de escritoras, o que se nota é uma presença constate e cada vez maior de homens nos encontros.  Michelle relembra a surpresa de um dos frequentadores ao descobrir livros de fantasia publicados por mulheres, por exemplo.  Ela levanta um ponto também mencionado por Joanna Walsh à época da criação do #ReadWomen: o uso da expressão “literatura feminina” para designar (quase) toda produção literária com o nome de uma mulher na capa.

- Colocam tudo no mesmo balaio com esse maldito termo “literatura feminina”.  O que não se percebe é que são mulheres escrevendo dentro do seu gênero – argumenta Michelle.

 

VERSÃO ESTADUAL

 

Quando soube da iniciativa das paulistanas, Clarissa Xavier não pensou duas vezes: precisava reunir, aqui em Porto Alegre, seu próprio grupo para ler e pensar sobre a literatura produzida por elas.  A urgência ficou ainda mais evidente quando analisou os próprios hábitos de leitura: até ficar sabendo do Leia Mulheres em junho de 2015, deu-se conta de que só havia lido obras de autores homens até então naquele ano.

- Além de fomentar a leitura de mulheres, m eu objetivo era pensar por que há pouca representatividade e tentar reverter essa situação – explica.  – Agora, me esforço para ler pelo menos uma obra de mulher por mês.  Não é que eu tenha deixado de admirá-los, só abri meus olhos para as mulheres.

 

Depois de conversar com outras gurias em grupos feministas no Facebook, constatou que a ideia poderia ter apelo por aqui também e marcou a primeira reunião para agosto de 2015.  Naquele primeiro encontro, cinco pessoas apareceram na Casa de Cultura Mario Quintana para falar sobre A descoberta do mundo, de Clarice Lispector.  Dez meses depois, em maio de 2016, foram mais de 70 pessoas interessadas em discutir Como conversar com um fascista, de Marcia Tiburi.  O próximo encontro foi em 24 de setembro, onde o Leia Mulheres debateu Pornô Chic, de Hilda Hilst.

- Mas o meu sonho é que não haja a necessidade do Leia Mulheres – conta. – Quero que a equidade se torne a regra e que possamos ler sem haver a preocupação com o gênero, pois haverá um equilíbrio nos autores publicados.

 

PARA LER     

 

A pedido de Donna, o Leia Mulheres nacional elaborou uma lista com cinco sugestões de obras escritas por mulheres para conhecer.  Confira a seguir, com os comentários de Michelle Henriques:

<> FRANKENSTEIN, de MARY SHELLEY

“Esta obra pode ser considerada a inaugural da ficção científica, e é responsável por um fenômeno cultural.”

 

<> AMERICANAH, de CHIMAMANDA NGOZI ADICHIE

“A autora nigeriana ficou conhecida por suas ótimas palestras.  Em Americanah, ela discorre sobre imigração, cultura africana, racismo e feminismo.”

 

<> NADA A DIZER de ELVIRA VIGNA

“Elvira Vigna é uma ótima representante da literatura brasileira contemporânea.

 

<> O MORRO DOS VENTOS UIVANTES, de EMILY BRONTË

“Clássico da literatura mundial, ótimo romance gótico.

 

<> A AMIGA GENIAL, de ELENA FERRANTE

A autora italiana é um mistério, não dá entrevistas e nunca apareceu em público, mas é dona de uma das melhores narrativas da literatura atual.

Fonte:  Revista Donna ZH/Thamires Tancredi em 04/09/2016