Translate this Page




ONLINE
6





Partilhe esta Página

                                            

                            

 

 

 


Análise da Década no Mercado Editoral
Análise da Década no Mercado Editoral

UMA DÉCADA DE AFLIÇÃO NO MERCADO EDITORIAL

 

Os últimos anos não foram fáceis para o mercado editorial. Enquanto o megaconglomerado Amazon se afirma como o principal vendedor de livros no mundo inteiro, livrarias gigantes no Brasil pedem recuperação judicial. Desde 2010, o mercado de livros passou por profundas transformações, incluindo crises em editoras e livrarias, e também o surgimento de maneiras alternativas de leitura, como os e-books e os audiolivros.

 

Nascida nos anos 1990, a Amazon se consolida como um dos principais pontos de venda de livros do mundo. Chegou ao Brasil em 2012, pondo em xeque o modelo de negócios das livrarias mais tradicionais e causando uma revolução no mercado editorial.

 

As livrarias entraram em colapso. A face mais visível do problema é a recuperação judicial das duas principais redes do país, Cultura e Saraiva. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que, em 2018, apenas 17,7% das cidades brasileiras tinham livrarias (em 2001, eram 42,7%).

 

A crise nesse mercado também respingou nas editoras, que veem o número de livros vendidos despencar ano após ano. Até novembro do ano passado, o faturamento encolheu 8,31% se comparado com o mesmo período de 2018.

 

Nesse contexto, surgiram novos gigantes no setor. A Companhia das Letras se consolidou como o principal conglomerado editorial brasileiro, com 17 selos e uma série de fusões (a última delas, com a Zahar, em outubro do ano passado). Em 2018, a Penguin Random House assumiu o controle acionário majoritário do grupo.

 

Uma das principais editoras do país, a Copsac Naify fechou as portas em 2015. A visão editorial da empresa, somada aos avanços tecnológicos na impressão de livros, melhorou a qualidade gráfica dos títulos publicados no Brasil, que saltou para um patamar consideravelmente mais elevado. Seu fim significou um adeus à ousadia para a literatura nacional.

 

NOVOS PROCESSOS E PLATAFORMAS

 

Outras formas de leitura surgiram, mas ainda sem resultados expressivos no Brasil. Nos Estados Unidos, os audiolivros geraram quase US$ 1 bilhão em 2018 e crescem a taxas de 25% ao ano (por aqui, o formato começou a decolar somente em 2019). Já os e-books se estabilizaram ao redor do planeta, mas no país nunca atingiram vendas expressivas.

 

No entanto, na virtualidade, as redes sociais criaram uma nova figura: os instapoetas, que escrevem na internet, mobilizam fãs e criam conteúdos para marcas. Com uma base consolidada de leitores, eles atingem resultados expressivos quando lançam livros. A indiana Rupi Kaur, por exemplo, vendeu 400 mil exemplares no Brasil, somando seus dois livros.

 

Esta também foi a “era da autopublicação”. Com livrarias e editoras em crise e possibilidade tecnológica de editar e imprimir seu próprio livro em casa, os últimos anos foram de autores que mudaram a intermediação na relação com o mercado editorial e passaram a se autopublicar e a carregar suas obras embaixo do braço. Nunca se ouviu tanto aquela famosa frase: “Oi, você gosta de poesia?”.

 

A década ainda foi marcada pela efemeridade de picos editoriais que duraram apenas um piscar de olhos. Os livros de colorir e os títulos escritos por youtubers estão aí para provar.

 

Fonte: Jornal do Comércio/Caderno Viver em 05/01/2020