Translate this Page




ONLINE
10





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


A Mulher com Olhos de Fogo, de Nawal El Saadawi
A Mulher com Olhos de Fogo, de Nawal El Saadawi

A SIMONE DE BEAUVOIR ÁRABE

 

Livro: A MULHER COM OLHOS DE FOGO de Nawal El Saadawl – Faro Editores, 160 páginas, tradução de Fábio Alberti e prefácio de Miriam, Cooke.

 

Não por acaso, e muito menos por falta de mérito, a médica e psiquiatra feminina, escritora e ativista egípcia Nawal El Saadawl foi chamada pela agência de notícias Reuters de “A Simone de Beauvoir do mundo árabe”. Ela foi presa por Anwar al Sadat em 1981 por supostos “crimes contra o Estado”.

Nawal escreveu muitos livros sobre as mulheres no Islã e, em especial, luta contra a prática da mutilação genital feminina no Oriente Médio.

 

A MULHER COM OLHOS DE FOGO (Faro Editores, 160 páginas, tradução de Fábio Alberti e prefácio de Miriam Cooke), mostra o despertar feminista de uma mulher no Oriente Médio, mediante a narrativa sobre Firdaus, uma senhora do Egito que está presa e vai ser executada. No relato verdadeiro e urgente, ela conta para Nawal como cresceu na miséria, fala da mutilação genital que sofreu e de como foi violada por membros da família. Ela casou ainda adolescente com um homem mais velho, foi espancada frequentemente e teve que se prostituir. A narrativa nos conduz pelas ruas de Cairo e mostra detalhes de uma sociedade em que a mulher sempre volta à estaca zero, sempre ao ponto de partida.

 

Num ato de rebeldia, reuniu coragem para matar um de seus agressores e isso a levou à prisão. Firdaus levou a vida sem possibilidade de escolhas, mas em meio ao desespero, encontrou alguns caminhos. A sombria narrativa convida os leitores a experimentarem um pouco das pequenas liberdades que Firdaus conseguiu e, principalmente, a acompanhar suas transformações internas.

 

O clássico jornal The Guardian disse, sem exagerar, sobre a obra de Nawal: “Um dos livros mais francos e radicais sobre a vida feminina, de todas as origens, em todas as partes do mundo”.

 

Depois de quatro décadas da revolução islâmica, muitos consideram normais as restrições aplicadas às mulheres, incluindo as próprias mulheres. Os livros de Nawal já foram traduzidos para mais de 28 idiomas e sua obra é realmente inspiradora, num mundo Oriental e Ocidental com gigantescos índices de variadas violências contra as mulheres.

 

 

Fonte: Jornal do Comércio/LIVROS/Jaime Cimenti (jcimenti@terra.com.br) em 14/04/2019