Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
5





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Novas HQs de Robert Kirkman e Rick Remender
Novas HQs de Robert Kirkman e Rick Remender

SEIS DEGRAUS DE APROXIMAÇÃO

 

QUADRINHOS

 

O que conecta OBLIVION SONG e BLACK SCIENCE, novas HQs de Robert Kirkman, o criador de THE WALKING DEAD, e Rick Remender, de DEADLY CLASS

 

Há pelo menos seis pontos de conexão entre dois gibis americanos que estão saindo no Brasil por editoras diferentes – os primeiros volumes de OBLIVION SONG, CANÇÃO do SILÊNCIO, da Intrínseca (144 páginas), e BLACK SCIENCE, COMO CAIR PARA SEMPRE, da Devir (176 páginas).

 

1. Ambos são séries recentes (um mais do que o outro, é verdade: o primeiro começou em setembro passado, e o segundo, em novembro de 2013) da Image, a editora surgida nos anos 1990 por iniciativa de artistas da Marvel e da DC que queriam produzir gibis autorais. Uma casa que durante um tempo ficou marcada por HQs em que havia muita ação e pouca reflexão, e hoje é a fonte de alguns dos quadrinhos mais elogiados por crítica e público, como SAGA, de Brian K. Vaughan e Fiona Staples, GIDEON FALLS, de Jeff Lemire e Andrea Sorrentino, e KILL OR BE KILLED, de Ed Brubaker e Sean Phillips.

 

2. Ambos trazem a assinatura de roteiristas quarentões que são chegados em matar um monte de personagens, Robert Kirkman (OBLIVION SONG), 40 anos, e Rick Remender (BLCK SCIENCE), 46. Os dois já trabalharam para a Marvel, onde engendraram versões monstruosas dos super-heróis – o primeiro transformou em zumbis Homem-Aranha, Wolverine e Capitão América, entre outros, e o segundo transformou em Frankenstein o Justiceiro, na famigerada fase Franken-castle, trocadilho com o nome civil do vigilante. Hoje, gozam de status junto aos produtores de TV e streaming (um mais do que o outro, é verdade: duas HQs de Kirkman já foram adaptadas para seriados, a logeva THE WALKING DEAD, que gerou um spinoff, FEAR THE WALKING DEAD, e OUTCAST, e uma terceira está anunciada, INVINCIBLE; Remender é o criador de DEADLY CLASS, cuja primeira temporada recém estreou na Globoplay, e de THE LAST DAYS OF AMERICAN CRIME, que vai virar filme pela Netflix.

 

3. Ambos são ilustrados por artistas italianos emergentes – um mais do que o outro, é verdade: Lorenzo de Felici, de OBLIVION SONG, ainda é pouco conhecido. Seu traço é mais redondo e, especialmente nos rostos, lembra a arte de Jeff Lemire e Dean Ormston, embora seja mais realista e detalhista nos objetos de cena. Matteo Scalera, de BLACK SCIENCE, já provoca mais ressonância, por ter desenhado personagens como Batman, Deadpool e os Vingadores Secretos. Seu traço é mais sujo, e seus personagens angulosos remetem a Sean Murphy. O trabalho de colonização amplia a distância entre os dois: em OBLIVION SONG, a italiana Annalisa Leoni é suave e investe em um certo monocromatismo agradável. Em BLACK SCIENCE, Dean White pesa mais a mão – os tons são frios, mas o gibi é escuro.

 

4. Em ambos, os protagonistas são cientistas que viajam a mundos paralelos para salvar sua família (um mais do que o outro, é verdade). Em OBLIVION SONG, Kirkman reprisa o cenário pós-apocalíptico de THE WALKING DEAD e ZUMBIS MARVEL. Aqui, 300 mil habitantes da Filadélfia, nos EUA, foram jogados em OBLIVION (esquecimento, em inglês), uma dimensão inóspita. Dez anos depois, nathan Cole tenta dar seguimento a um trabalho abandonado pelo governo americano: o de resgatar as vítimas – entre elas, seu irmão, Ed. Em BLACK SCIENCE, o desafio de Grant McKay, líder da Liga Anarquista de Cientistas, é maior – vou copiar a bombástica sinopse da contracapa: “Ele decifrou a Ciência Sombria e abriu caminho através das barreiras da realidade com a sua criação, o Pilar, mas algo deu errado, e agora Grant e a sua equipe estão perdidos, perambulando pela vastidão sem limites do Sempreverso, fantasmas vivos naufragados em um oceano infinito de mundos alienígenas”.

 

5. Ambos os protagonistas precisam enfrentar monstros, traições e os próprios erros e dilemas (um mais do que o outro, é verdade). Nathan Cole tem de lidar com a falta de apoio do governo, que quer interromper suas incursões, com a culpa que sente em relação ao irmão e com a recusa de salvamento por algumas pessoas – em OBLIVION, elas têm uma rara segunda chance de recomeçar do zero, apagar seus pecados, serem melhores (Kirkamn é eficiente em propor ao leitor um “e você, o que faria?”). Grant McKay encara todo tipo de criatura, desde sapos gigantes a soldados alemães, passando por índios com machadinhas laser. Seus grandes inimigos, no entanto, estão bem mais próximos: Kadir, o financiador do projeto, parece manter uma agência secreta e diferente da sua; e o próprio Grant também procura sua segunda chance, um mundo no qual ele não “ferrou” tudo ao ficar obcecado pela ciência sombria, em que ajudou sua esposa, Sara, a criar os filhos, onde não a traiu com uma integrante da equipe, Rebecca.

 

6. Ambos deixam o leitor um tanto confuso – em um mais do que o outro, é verdade. Em OBLIVION SONG, Kirkman adota tática semelhante à de THE WALKING DEAD: não há um narrador onisciente, nem mesmo monólogos interiores, então tudo o que sabemos é o que os personagens falam – o quanto podemos confiar neles? Vamos tateando até compreendermos o que está acontecendo, como funciona a tal “transferência” e o que existe em Oblivion (a propósito, os desenhos de Felici nessa dimensão aumentam a dúvida: seus monstros se misturam aos cenários). Com BLACK SCIENCE, é praticamente o oposto: há múltiplos narradores e muitos monólogos interiores, mas a linguagem por vezes é cifrada ou mesmo extraterrestre, o tal Sempreverso é difícil de entender, há um momento em que surge um outro Grant McKay, portanto, é um alívio quando Remender permite-se ser um pouco didático – por exemplo, sobre “a pedra fundamental da infinitologia”: “A teoria que diz que tudo que você puder imaginar existe em alguma camada do Sempreverso. Chamamos esse construto de A Cebola. Camada sobre camada de dimensões paralelas. Cada camada representa um incalculável número de realidades, cada uma delas criada a partir das escolhas feitas por todos os seres vivos no universo. Assim que forem mapeadas, poderemos encontrar soluções para todos os problemas que a humanidade enfrenta”. Ambição, eis outro ponto que conectar os dois anti-heróis.

 

Fonte: Zero Hora/Segundo Caderno/Ticiano Osório (ticiano.osorio@zerohora.com.br) em 29/04/2019