Translate this Page




ONLINE
3





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Rafiki, de Wanuri Kahiu
Rafiki, de Wanuri Kahiu

DIVERSIDADE: RAFIK DESAFIA LEIS DO QUÊNIA

 

Filme: RAFIKI de Wanuri Kahiu. Drama, Quênia/África do Sul/França, 2018, 82min, 16 anos

 

Quando estreou no Festival de Cannes em 2018, RAFIKI fez história. Não só pelo fato de ter sido a primeira produção cinematográfica queniana a ser escolhida pelo principal festival do mundo, mas por ser uma história LGBT passada no país.

- Ao fazer o filme, sabia que seria importante para muitas pessoas, mas quando tudo disparou, fiquei surpresa e tive dificuldade em entender tudo – conta a atriz Sheila Munyiva. – Eu me sinto muito orgulhosa de fazer parte de algo que está fazendo história.

 

O filme da diretora Wanuri Kahiu estreou no Brasil nesta quinta-feira (8 de agosto). Munyiva faz Ziki, uma das protagonistas da trama, que vive um relacionamento com a personagem Kena, interpretada por Samantha Mugatsia.

 

As duas estão apaixonadas, mas há dois empecilhos – o preconceito e a disputa política local entre seus pais. A inspiração é o conto JAMBULA TREE, da escritora ugandense Monica Arac de Nyeko. Rafiki significa, no Quênia, amigo ou amiga.

 

Desde 1897, quando o Quênia ainda era uma colônia britânica, a homossexualidade é criminalizada. Em maio deste ano, o Supremo Tribunal local julgou a possibilidade de abolição dessas leis, mas a proposta acabou rejeitada.

 

Apesar de ser um pouco mais branda para as mulheres, a legislação do país prevê até 19 anos de prisão para quem tem relações com pessoas do mesmo sexo. O Código Penal impõe até 14 anos de prisão para os que tiverem uma “conjunção Carnal não natural” e cinco anos para “práticas indecentes entre homens”.

 

 

Importância

 

No ano passado, o presidente do país, Uhuru Kenyatta, ao ser entrevistado pela CNN, disse que o debate sobre os direitos LGBT é um tema “sem importância”. Por isso, para a atriz Sheila Munyiva, o filme tem sua importância tão grande.

- Não há nada mais fortalecedor do que se ver representado na tela – afirma. – Ao crescer, tive dificuldade em apreciar minhas características africanas, porque tudo o que via na TV era cabelo longo e liso, pele clara e corpos magros. Foi uma tortura, até que mais mulheres não brancas começaram a aparecer nas telas. RAFIKI será capaz de fazer o mesmo para pessoas da comunidade LGBT. Isso permitirá que se sintam vistos, lindos, amados, ouvidos e, mais importante, pertencentes.

 

Diante dessa situação era possível esperar alguma reação por parte do governo do Quênia em relação ao longa. Logo após a exibição em Cannes, a obra foi proibida no seu país de origem.

 

O motivo, segundo o órgão de controle da produção cinematográfica do país, foi o fato de a obra “ter temática homossexual e intenção clara em promover o lesbianismo”. Ainda houve um pedido, não aceito pela cineasta Wanuri Kahiu, para cortar as cenas de sexo entre as personagens.

 

A cineasta, no entanto, conseguiu reverter a situação. Depois de ter afirmado que houve censura, ela ganhou na Justiça o direito de o filme ficar em cartaz nos cinemas do país – ainda que só por uma semana, sem setembro de 2018. Isso permitiria ao longa ser escolhido como representante queniano no Oscar, o que acabou não acontecendo.

- Fiquei de coração partido e em choque quando ouvi que o filme foi banido – diz Munyiva.

- Eu não entendi porque eles nos davam uma licença para filmar no país, mas depois não permitiam que mostrássemos o filme. A relação entre as duas personagens, na minha opinião, não seria impossível. O filme realmente mostra como é problemático ser LGBT no Quênia, mas também quão possível, bonito e terno ´[e quando você encontra o amor. É uma representação realista.

 

Para ela, RAFIKI pode ainda fazer despertar a aceitação.

- Espero que os que são ignorantes quanto à situação da comunidade LGBT assistam ao filme e vejam o amor e, talvez então, eles aceitem seus compatriotas queer e os vejam como iguais.

https://www.youtube.com/watch?v=OqTrewlmmUI

 

Fonte: Jornal Zero Hora/Caderno Fíndi/Claudio Gabriel/Folhapress em 11/08/19